Justiça Eleitoral terá novos ministros

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

O ministro do STJ João Otávio de Noronha assume a vaga do ministro Castro Meira, que se aposenta neste mês. A ministra Maria Thereza de Assis Moura será substituta na corte eleitoral

Agência Estado

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) escolheu o ministro João Otávio de Noronha para compor o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ocupando vaga do STJ. Noronha ficará com vaga que será aberta na próxima quinta-feira, 19, devido à aposentadoria do ministro Castro Meira. A escolha foi definida na noite desta quarta-feira, 11, pelo Pleno do Superior. Também foi eleita a ministra Maria Thereza de Assis Moura para ser substituta na corte eleitoral.

Leia também:

900 mil estão com direitos políticos suspensos, diz TSE

Cármen Lúcia é eleita primeira presidente mulher do TSE

Noronha deverá ser o corregedor-geral da Justiça Eleitoral nas próximas eleições, posto hoje ocupado pela ministra Laurita Vaz, também oriunda do STJ. "Vamos enfrentar com firmeza e rigor as irregularidades, prezando por uma eleição transparente", afirmou, em nota divulgada pelo STJ. Para o ministro, é um desafio assumir a tarefa em um momento conturbado da vida nacional, diante de contestações públicas e em massa do sistema político.

Histórico

Mineiro de Três Corações, Noronha é ministro do STJ desde 2002. No Tribunal, é um dos mais experientes. Integra a Terceira Turma, a Segunda Seção, a Corte Especial e o Conselho de Administração. Foi corregedor-geral da Justiça Federal entre 2011 e 2013.

Antes da magistratura, fez carreira na advocacia, principalmente no Banco do Brasil, onde exerceu o cargo de diretor jurídico. Chegou a ser aprovado em primeiro lugar para o cargo de juiz de direito em Minas, em 1987, mas optou por não deixar o BB.

O TSE têm sete ministros efetivos, sendo que três vagas são ocupadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), duas pelo STJ e duas são de ministros juristas, representantes dos advogados. Distribuição semelhante ocorre entre os ministros substitutos.

Leia tudo sobre: TSESTJJustiça

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas