Petista pediu cargos à ministra Ideli em porto alvo de denúncia

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Investigação da PF e auditoria da Codesp comprovaram os desvios e má-gestão em Laguna, em Santa Catarina

Brasil Econômico

Uma carta anexada a processo na Justiça Federal Sobre irregularidades no porto de Laguna, em Santa Catarina, mostra um integrante da corrente do PT Construindo um Novo Brasil, Claudionor Dias Pereira, falando com a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, sobre a necessidade de manutenção de cargos para o grupo. A investigação da PF e uma auditoria da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), à qual o porto está subordinado, comprovaram os desvios e má-gestão em Laguna. Foram detectados ainda, segundo documento encaminhado a autoridades, “superfaturamento, conluio com empresários, entrega de bens públicos sem licitação e recursos públicos desviados para contas pessoais”. O porto é de um terminal público pesqueiro.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Leia mais: Porto comandado pelo PT é alvo de denúncia de superfaturamento

As nomeações no porto são atribuídas à ministra Ideli Salvatti. Procurada pela coluna, Ideli, por meio de sua assessoria, informou que as indicações “foram feitas pela administração anterior da prefeitura de Laguna” (que era governada pelo PT). Na correspondência encaminhada a Ideli, em 5 de dezembro de 2012, Pereira – chefe de manutenção do porto – diz ser necessário “que membros da CNB ocupem cargos que deem visibilidade, que possam ter controle de determinadas situações, a fim de mostrar à população de Laguna que o PT tem força e é o partido do povo brasileiro”. E prossegue: “Não temos mais a administração municipal (...) Resta-nos o Porto Pesqueiro de Laguna, empresa por demais importante para a economia do município, de grande visibilidade pública e estratégica para o fortalecimento do Partido dos Trabalhadores em Laguna e para a CNB”.

Dirigente do CNB diz que apelos à ministra “sempre são atendidos”

O petista Pereira lembra, na carta, um acordo firmado em 2010 para a CNB nomear duas pessoas no porto de Laguna e o ex-prefeito Célio Antonio, outras duas. Cita os indicados e observa que a corrente estava sem uma representação. Em seguida, critica uma adversária interna, Denise Pegoraro, mulher do ex-prefeito e chefe da área financeira, e pede seu afastamento. O petista ressalta que a ministra “conhece nossa luta” e buscou sempre “a proteção de nossos companheiros”. E conclui: “Tenho muito a agradecer a Vossa Excelência, haja vista que nossos apelos sempre são atendidos, fato que tem trazido facilidades para a manutenção e engrandecimento do PT em Laguna”.

Outro ministério quer o porto

O Ministério da Pesca já solicitou que o porto de Laguna passe a ficar sob o seu comando por ser um terminal público pesqueiro. Um parecer da Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) mantém esse entendimento. A Codesp quer a demissão dos funcionários comissionados envolvidos nas acusações de irregularidades.

Duarte Nogueira, presidente do PSDB em São Paulo, sobre denúncias de desvios no porto público de Laguna, administrado por petistas: “São acusações gravíssimas. É o aparelhamento do Estado em benefício de interesses partidários. A ministra Ideli tinha de apurar e não transferir responsabilidades”

Tuma ficou magoado

O ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Júnior ameaça “contar muita coisa” sobre Lula, no livro “Assassinato de Reputações”, que lançará em novembro, em razão de ter se sentido abandonado quando saiu do governo, em 2010. Esperava que Lula o defendesse. Costuma lembrar que seu pai, Romeu Tuma, ajudou Lula a sair da cadeia para visitar a mãe doente.

Dilma disse a Obama que era tarde

No domingo dia 1, quando o “Fantástico” apresentou a primeira reportagem sobre a espionagem de ligações telefônicas e mensagens entre o Palácio do Planalto e auxiliares de Dilma, o americano Obama ligou para a presidente depois do fim do programa. Já era tarde (uma hora a mais no Brasil) e Dilma não atendeu. Sugeriu a conversa no G-20.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas