Alvo de investigação, ex-assessor do Ministério do Trabalho se entrega à polícia

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Investigações que culminaram com a Operação Esopo constataram indícios de fraude em licitações em dez Estados e no Distrito Federal

Agência Brasil

Suspeito de integrar um esquema de fraude em licitações públicas, o ex-assessor do Ministério do Trabalho Anderson Brito Pereira se entregou à Polícia Federal (PF) na noite desta segunda-feira (9). A informação foi confirmada pela superintendência da PF no Distrito Federal. Investigado pela Operação Esopo, Pereira deve ser levado ao Complexo Penitenciário da Papuda, na capital federal.

Leia mais sobre a Operação Esopo:

Ministério do Trabalho exonera funcionários investigados 

PF apreende até helicóptero em operação contra desvios 

Devido às suspeitas, o ministério exonerou Pereira e o coordenador de Contratos e Convênios da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego, Geraldo Riesenbeck. As duas portarias ministeriais foram publicadas na edição de hoje do Diário Oficial da União.

Riesenbeck e o subsecretário de Planejamento do ministério, Antônio Fernando Decnop, foram presos ontem. Outro suspeito de participar do esquema, o secretário-executivo do ministério, Paulo Roberto Pinto, prestou depoimento e foi liberado em seguida.

Wesley Rodrigues/Hoje em Dia/Futura Press
Operação Esopo desmantela esquema que teria causado prejuízo de R$ 400 milhões

Em nota, o ministério esclareceu que, como o processo tramita em caráter sigiloso, pediu à polícia informações sobre a Operação Esopo. Além disso, solicitou à Advocacia-Geral da União que acompanhe o caso e informou que vai instaurar processos administrativos disciplinares para apurar os fatos. O ministério garantiu que não mantém convênio com a organização não governamental Instituto Mundial de Desenvolvimento e Cidadania. Os convênios celebrados com municípios e estados que estiverem sendo investigados serão suspensos.

Iniciadas há dois anos, as investigações que culminaram com a deflagração da Operação Esopo constataram indícios de fraude em licitações de prestações de serviços, construção de cisternas, produção de eventos turísticos e de festivais artísticos. Segundo a polícia, o prejuízo aos cofres públicos chegam a R$ 400 milhões.

Os contratos eram celebrados com organizações da sociedade civil de interesse público aptas a fazer parceria com o governo, mas os serviços contratados ou eram superfaturados ou simplesmente não eram feitos. Parte do dinheiro recebido pela contratada era repassado a agentes públicos envolvidos no esquema. As fraudes ocorriam em 11 estados – Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Pernambuco, São Paulo, Ceará, Amapá, Paraná, Roraima e Pernambuco – e no Distrito Federal.

Leia tudo sobre: operação esopopfministério do trabalho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas