Abaixo-assinado em defesa de Genoino reúne nomes de peso

Por Ricardo Galhardo - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O crítico literário Antonio Candido, a filósofa Marilena Chauí e o escritor Fernando Morais estão entre os mil apoiadores do deputado condenado no mensalão

Cerca de mil pessoas subscreveram até agora um abaixo-assinado em defesa do deputado José Genoino, ex-presidente nacional do PT, condenado a 6 anos e 11 meses de prisão por envolvimento no mensalão.

Leia mais: José Genoino pede aposentadoria à Câmara por invalidez

Saúde: José Genoino recebe alta do Sírio-Libanês

A lista de personalidades dos mais diversos setores é grande e inclui o crítico literário Antonio Candido, a filósofa Marilena Chaui, o escritor Fernando Morais, o músico Jorge Mautner, o economista Ladislau Dowbor, os cineastas Lucy e Luiz Carlos Barreto, a psicanalista Maria Rita Kehl, a ministra da Cultura, Marta Suplicy, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, o jornalista Ricardo Kotscho, o prefeito de Sao Bernardo, Luiz Marinho, o estudante de direito Frederico Haddad, filho do prefeito Fernando Haddad, e o ex-sindicalista Frei Chico, irmão mais velho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Agência Brasil
Abalado com o julgamento do mensalão e enfrentando problemas de saúde, Genoino pede aposentaria por invalidez

O abaixo-assinado é iniciativa de amigos de Genoino e foi disponibilizado em uma página de moradores do Butantã, bairro onde vive o deputado. O texto não faz nenhuma reivindicação específica, apenas uma defesa da reputação de Genoino.

"Estamos aqui para dizer em alto e bom som que José Genoino é um homem honesto, digno, no qual confiamos. Estamos aqui porque José Genoino traduz a história de toda uma geração que ousa sonhar com liberdade, justiça e pão. Estamos aqui, mostrando nossa cara, porque nos orgulhamos de pessoas como ele, que dedicam sua vida para construir a democracia. Genoino personifica um sonho. O sonho de que um dia teremos uma sociedade em que haja fraternidade e todos sejam, de fato, iguais perante a lei", diz o documento.

Embora não tenha a pretensão de alterar o resultado do julgamento no Supremo Tribunal Federal, o abaixo-assinado é visto por pessoas próximas a Genoino como uma peça importante na estratégia de sobrevivência política do petista após o julgamento.

Segundo amigos, o deputado que passou três anos preso na década de 70 por participar da guerrilha do Araguaia está abalado emocionalmente com o resultado do julgamento. Além disso, ele se recupera de uma operação cardíaca delicada. Por orientação médica ele tem evitado ler jornais e noticiários sobre o mensalão. Isso não impediu que um grupo de amigos fosse à casa dele na quinta-feira prestar solidariedade durante a sessão do STF que decidiria sobre os embargos declaratórios.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas