Prisões do mensalão podem sair logo

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Há três ministros totalmente favoráveis à antecipação da execução das penas: o presidente do STF, Joaquim Barbosa, Luiz Fux e Gilmar Mendes

Brasil Econômico

Está em discussão no Supremo Tribunal Federal (STF) a possibilidade de antecipação de execução das penas dos réus do mensalão. Existe a possibilidade de as prisões começarem a ocorrer ainda nesta semana. O ministro Marco Aurélio Mello é radicalmente contra essa posição. E tem se manifestado publicamente. Ele avalia que não se pode admitir a aplicação das punições sem que tenham se esgotado todas as fases da defesa de uma maneira regular. Há três ministros totalmente favoráveis à antecipação da execução das penas: o presidente do STF, Joaquim Barbosa, Luiz Fux e Gilmar Mendes. São totalmente contrários, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandoski e José Antonio Dias Toffoli. Dos outros cinco ministros, não se sabe a posição.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Mensalão: Execução de prisões dos réus depende de novos recursos

Os indefinidos são Carmem Lúcia, Rosa Webber, Celso de Mello, Luís Roberto Barroso e Teori Zavascki. Antes, era possível prever o voto de ministros, analisando-se votações anteriores. Agora, é comum ocorrer mudanças bruscas, inesperadas. Nos bastidores, já há conversas, discussões e “negociações” sobre os locais para onde serão mandados os condenados do mensalão. O Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça, tem um projeto de construção de uma quinta penitenciária federal, em Brasília, que contará com uma ala para autoridades que cometerem crimes e necessitarem de presídio de segurança máxima. Mas não se sabe quanto estará pronto. Outra unidade prisional de Brasília, o Centro de Progressão Penitenciária, amplia sua capacidade para presos condenados em regime semiaberto e poderá abrigar detentos como os condenados do mensalão.

Telefone vermelho

Fonte do governo informou que o presidente Obama ligou na segunda-feira para Dilma a fim de tentar desfazer o mal-estar com a denúncia da espionagem. Dilma teria dito que conversariam no encontro do G20, na Rússia. Oficialmente, assessores do Palácio disseram não ter a informação.

Tiririca, quem diria

Motivo de piada quando foi eleito, Tiririca (PR) aparece no site Ranking político, que pontua deputados e senadores de São Paulo de acordo com a atuação, como o melhor da Câmara, com 340 pontos. No Senado, está na frente Aloysio Nunes (PSDB).

Finep promete rapidez

A Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), ligada ao Ministério de Ciência e Tecnologia, levava 458 dias, em média, para dar resposta sobre pedidos de financiamento. Com nova metodologia, garante que responderá agora em 30 dias.

José Serra, ex-governador de São Paulo, ao prestar solidariedade à presidente Dilma: “É inaceitável que os EUA, de maneira ilegal e ilegítima, espionem ligações telefônicas, mensagens de celular e de correio eletrônico de um chefe de estado democraticamente eleito”

Vítima da tortura

Acontece hoje em São Paulo, às 10 horas, uma homenagem a Joaquim Câmara Ferreira, um dos fundadores da ALN ao lado de Carlos Marighella. “Toledo”, como era conhecido, foi morto sob tortura, em um sítio, em outubro de 1970. A manifestação será na rua que leva o seu nome, na zona norte de São Paulo. À noite, haverá um ato no Sindicato dos Jornalistas.

Deputado sumiu do plenário

Sentenciado a sete anos e dez meses por receber R$ 8,8 milhões do mensalão, o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) há tempos não participa das votações na Câmara. O deputado marca a presença em plenário, mas depois sobe para o gabinete da liderança do PR, onde recebe correligionários. Em Mogi das Cruzes, sua cidade, quase não é mais visto.

Leia tudo sobre: mosaico políticomensalão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas