Fiscais agropecuários organizam manifestação em todo o País

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo protesta contra cortes orçamentários, falta de concurso, redução do número de profissionais e nomeações de “apadrinhados” no Ministério da Agricultura

Brasil Econômico

Fiscais federais agropecuários distribuíram bananas na avenida Paulista, no centro de São Paulo, na semana passada. Na próxima sexta-feira, darão laranjas à população, em frente ao prédio da Fiesp. Eles organizam manifestações em todo o País contra cortes orçamentários, falta de concurso, redução do número de profissionais e nomeações de “apadrinhados” no Ministério da Agricultura. Segundo Ulysses Thuller, delegado sindical da Associação Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (ANFFA), o PMBD – partido que detém hegemonia no ministério -, estaria “aparelhando o órgão” e nomeando políticos para cargos chaves, “que não têm qualquer contato com o setor”. Os fiscais agropecuários - 3,8 mil no País - são encarregados de fiscalizar produtos de origem animal e vegetal.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Eles reclamam de indicações para a Secretaria de Defesa Agropecuária e o Departamento de Produtos de Origem Animal (Dipoa). A Anffa acusa o advogado Rodrigo Fiqueiredo, nomeado para a Secretaria Agropecuária, de ter supostas ligações com o frigorífico JBS. No cargo, ele poderia beneficiar interesses do grupo, alegam. Figueiredo é funcionário de carreira do Banco do Brasil. “Estão substituindo lideranças técnicas por políticos. E ligados à iniciativa privada, a quem temos de fiscalizar”, diz Thuller. Deputados da Frente Parlamentar também protestaram contra a exoneração de Ênio Marques, que estava no cargo. No Dipoa, que regula a qualidade e segurança de produtos de origem animal, há protestos contra a nomeação do veterinário Flávio Turquino. O Ministério da Agricultura informou que não se pronuncia sobre essas manifestações.

Irregularidades no Paraná

Após as denúncias de irregularidades em SP, auditores da Receita Estadual do Paraná afirmam existir problemas em ao menos 700 nomeações no Estado. Servidores fazem concurso para nível médio e seriam promovidos a auditor fiscal na “canetada”.

PPS quer definição

Lideranças do PPS vão tentar buscar uma definição, amanhã, para o impasse em torno da vinda ou não do tucano José Serra para o partido. A Executiva do partido se reúne em Vitória para avaliar a conjuntura nacional.

Novidade digital

A Igreja Mundial do Poder de Deus, do apóstolo Valdemiro Santiago, informou não ter mais interesse na ex-MTV (a concessão de canal da Abril) por causa das mudanças que ocorrerão em breve na TV digital. “É melhor esperar”, diz um representante da Igreja.

Ricardo Ferraço (PMDB-ES), nomeado ontem relator da CPI da Espionagem, no Senado: Precisamos desenvolver um conjunto de ações de que busquem, na prática, esclarecer, dar a mais absoluta transparência em torno destes atos que alcançaram níveis de intolerância”

Os debates no PT

O PT continua organizando debates dos candidatos à presidência do partido, nas eleições internas em novembro. O próximo acontece amanhã, em Belém. Na sequência, ocorrerão em Fortaleza, no dia 20; em Porto Alegre, dias 26 ou 27; no Rio, em 17 ou 18 de outubro; e Brasília, em 24 ou 25 de outubro. Antes do debate em Belém, Rui Falcão, atual presidente, lança sua candidatura na cidade.

Jurista desiludido com a política

Questionado sobre a não cassação do deputado Natan Donadon (sem partido-RO), o jurista Fábio Konder Comparato reagiu: “Não tenho acompanhado isso. Estou virando às costas para a política brasileira. Quero uma reforma com profundidade para dar a verdadeira soberania ao povo. Quero plebiscito e referendo popular”, afirmou o professor emérito da Faculdade de Direito da USP.

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas