Programa Mais Médicos vira arma na disputa política do PT

Por Ricardo Galhardo |

compartilhe

Tamanho do texto

Integrantes da direção nacional do partido defendem que Alexandre Padilha adie a saída do ministério para capitalizar eleitoralmente os possíveis bônus do programa

Ainda em fase de implantação, o programa Mais Médicos do Ministério da Saúde virou arma na disputa política do PT. Integrantes da direção nacional petista comemoram a reação positiva da maioria da população à chegada de médicos estrangeiros e contabilizam o programa na conta dos sucessos do governo Dilma Rousseff.

Eleições 2014: PT tem nome para disputa em 18 Estados

Leia mais: Mais Médicos gera polêmica por ser ousado, diz ministro Padilha

Ceará: Padilha condena ação de médicos que hostilizaram cubanos

O sucesso momentâneo, no entanto, virou argumento para que o ministro Alexandre Padilha, pré-candidato ao governo de São Paulo, continue no ministério até o ano que vem, contrariando a estratégia da direção estadual do PT, que prevê a saída do ministro em novembro. "Estamos ganhando o Mais Médicos", comemorou um dirigente nacional do PT. "Isso virou um dilema para o Padilha. Será que ele vai querer sair do ministério para disputar a eleição e deixar de colher os louros do projeto?", completou.

Agência Brasil
Para a direção do PT em São Paulo, o Mais Médicos deu a visibilidade necessária a Padilha

Integrantes da direção nacional defendem que Padilha adie a saída do ministério para capitalizar eleitoralmente os possíveis bônus do Mais Médicos.

Por trás da sugestão, está a disputa com o presidente estadual do PT, Edinho Silva, que defende a desvinculação do ministro em novembro, depois de aprovada a Medida Provisória que regulamenta o Mais Médicos, conforme acordado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com a presidente Dilma Rousseff.

Leia também:

Médicos cubanos chegam em meio a tumulto de manifestantes em Fortaleza

Cubanos chegam e dizem que dinheiro fica em 2º lugar

"Me sinto totalmente preparado", diz formado na Argentina

Dirigentes petistas acreditam que com o adiamento poderão tirar Edinho da coordenação da campanha de Padilha, geralmente entregue ao presidente do partido, já que o mandato dele termina em dezembro. O nome mais cotado para ocupar a presidência estadual do PT de São Paulo é o do ex-prefeito de Osasco Emídio de Souza.

O PT ainda não tem pesquisas sobre a aceitação do programa. Nas próximas semanas deve ser realizada uma série de sondagens qualitativas. Mas diante das reações nas redes sociais e na imprensa o partido comemora o sucesso da iniciativa.

Para integrantes da direção nacional, o Mais Médicos já é, ao lado da PEC das Domésticas, um dos principais trunfos de Dilma para a campanha do ano que vem. "Além do impacto direto junto à população, o programa pode ajudar a politizar a campanha mostrando quem defende a manutenção de privilégios e quem é a favor de melhorar a vida do povo", disse um cardeal petista.

No âmbito estadual, o impacto inicial do programa também é motivo de comemorações. Para a direção do PT em São Paulo, o Mais Médicos deu a visibilidade necessária a Padilha - ainda desconhecido pela maioria do eleitorado - e agrega um elemento positivo à imagem do pré-candidato em uma das áreas que têm sido o ponto fraco do PT, a saúde.

"Pode ser o 'genérico' do Padilha", disse um dirigente, comparando o Mais Médicos à criação dos medicamentos genéricos, uma das maiores realizações de José Serra no Ministério da Saúde.

Enquanto os cardeais petistas divergem sobre a data de desvinculação de Padilha, o partido prepara uma longa agenda de compromissos para os próximos meses que inclui eventos internos do PT, reuniões com parlamentares, movimentos sociais e a base do partido, além de avançar nas negociações com possíveis partidos aliados.

Leia tudo sobre: mais médicosalexandre padilhapteleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas