Rodrigo Janot, indicado por Dilma à Procuradoria, passa por sabatina no Senado

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Cargo deixado por Roberto Gurgel está vago desde o último dia 15; sabatina é última etapa antes da nomeação

O jurista Rodrigo Janot, indicado pela presidenta Dilma Rousseff para ocupar o cargo de procurador-geral da República, será sabatinado nesta quinta-feira (29), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. A aprovação de Janot na sabatina e no plenário garante sua nomeação para o cargo, que está vago desde o dia 15 deste mês. Acompanhe agora a sabatina pela TV Senado.

Leia mais: Dilma indica Rodrigo Janot para procurador-geral da República

Janot foi o mais votado por seus pares na eleição da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). Ele disputou a indicação com três subprocuradoras e obteve 511 votos, superando em 54 votos a segunda colocada, a subprocuradora-geral Ela Wiecko, no processo seletivo que antecede a escolha do Planalto. Deborah Duprat ficou com 445 votos e Sandra Cureau, com 271.

Valter Campanato/ABr
Rodrigo Janot é indicado por Dilma como novo procurador-geral da República

Segundo a nota divulgada pelo Palácio do Planalto na indicação do nome, o procurador tem “uma brilhante carreira no Ministério Público (MP)”. A presidente também considera que o escolhido “reúne todos os requisitos para chefiar o MP com independência, transparência e apego à Constituição”.

Perfil

Procurador desde 1984, Janot nasceu em Belo Horizonte, tem 56 anos, e é mestre em direito pela Universidade Federal de Minas Gerais, com especialização em direito do consumidor, área que coordenou de 1991 a 1994 na Procuradoria Geral da República (PGR).

Em 2011: Janot deu parecer contra obrigatoriedade do exame da OAB

Foi Secretário de Direito Econômico do Ministério da Justiça em 1994, e presidente da ANPR entre 1995 e 1997. Ocupou o cargo de secretário-geral do Ministério Público Federal entre 2003 e 2005.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas