Deputados vão à Bolívia para discutir operação que trouxe senador ao Brasil

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Parlamentares querem se informar sobre os processos movidos no país contra Roger Pinto Molina

Brasil Econômico

Agência Brasil
Senador boliviano Roger Pinto Molina acena de casa onde está abrigado em Brasília (26/8)

Uma comissão de deputados e senadores brasileiros irá se reunir com o embaixador da Bolívia no Brasil, Jerjes Justiniano, e com representantes do Ministério das Relações Exteriores do país vizinho para discutir as consequências da polêmica operação que trouxe de La Paz para o Brasil o senador boliviano Roger Pinto Molina. Para o embaixador da Bolívia, a saída do senador “é uma agressão” a acordos diplomáticos e à soberania de seu país. Os parlamentares pretendem visitar a Corte da Bolívia para se informar sobre os processos movidos no país contra o senador Molina. “Ele tem diversos processos por tráfico de drogas, corrupção e desvio de dinheiro. Quem tem dúvidas pode comprovar na Corte boliviana”, diz o deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP).

Protógenes é presidente da Comissão Mista Brasil-Bolívia do Congresso. Integrantes desta comissão e da Comissão de Relações Exteriores da Câmara farão parte da comitiva que vai à Bolívia. O presidente da Comissão de Relações Exteriores, Nelson Pellegrino (PT-BA), disse que já havia alertado o governo sobre as dificuldades que a diplomacia brasileira vinha tendo com o governo boliviano. Essa relação estava “esgarçada”, diz Pellegrino. “Houve fadiga de material. Por isso, já tinham retirado de lá o embaixador Marcel Biato”, analisa o deputado. Biato ia para a Suécia e, como punição, a mensagem que analisaria o seu nome no Senado foi retirada. O encarregado de negócios da Embaixada brasileira, Eduardo Saboia, também estava “no limite dele”, avaliou Pellegrino. “E havia posição muito crítica da embaixada em relação ao governo boliviano”.

Punição a Saboia

Governistas avaliam que o processo administrativo que Eduardo Sabóia, o encarregado de negócios da embaixada, responderá na Controladoria Geral da União (CGU) será bem mais rigoroso do que uma apuração limitada aos quadros do Itamaraty.

Negociações do Refis

O senador Gim Argello (PTB-DF) diz ter obtido sinal positivo do governo para a reabertura do Refis (mudança que ele incluiu na MP 615). O otimismo parece prematuro: o PT se mantém contra e técnicos da bancada examinam com lupa as alterações.

Explicações sobre recursos

A Comissão de Desporto da Câmara vai convidar a CBF, Ministério do Esporte, Caixa Econômica e o Conselho dos Clubes Formadores de Atletas Olímpicos para prestarem esclarecimentos sobre recursos utilizados no programa de formação de atletas.

PPS quer Serra ou Marina

O deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP) diz que seu partido pode vir a abrigar José Serra, caso ele deixe o PSDB, ou também Marina Silva, caso a Rede Sustentabilidade não seja viabilizada. “Temos grupos que apoiam candidatos diversos. Mas há consenso quanto a uma candidatura própria e competitiva. Todos apoiariam Serra ou Marina”, diz.

Pergunta de um milhão de dólares

Segundo Jardim, tanto Serra como Marina poderão ser candidatos a presidente pelo PPS, caso queiram. Serra, conforme o deputado, no momento faz consultas e avalia os prós e contras da decisão de participar de prévias no PSDB ou se desligar do partido. “Se ele vem? Essa é a pergunta de um milhão de dólares. Estamos animados, mas infelizmente não há decisão”.

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas