Comissão de Ética adverte ministro da Previdência por usar avião da FAB

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Garibaldi Alves Filho usou avião da Força Aérea Brasileira para viajar de Fortaleza ao Rio de Janeiro e assistir à final da Copa das Confederações

Agência Brasil

Valter Campanato/ABr
O ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu advertir o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, por ter usado um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para viajar de Fortaleza ao Rio de Janeiro e assistir à final da Copa das Confederações, disputada em 30 de junho, entre Brasil e Espanha, no Estádio do Maracanã. Segundo o presidente da comissão, conselheiro Américo Lacombe, a advertência serve como um “puxão de orelha” para que o ministro não repita o ato. A decisão foi tomada nesta segunda-feira (26).

Leia também:

Senado aprova pedido de informações sobre voos da FAB

Renan Calheiros diz que vai devolver R$ 32 mil por uso de avião da FAB

FAB diz que Renan e Henrique Alves alegaram que viagens seriam a serviço

"O Garibaldi foi advertido pelo uso do avião para ir ao Rio, mas não houve recomendação de demissão porque não era nada muito grave. Foi advertido para não fazer mais. Levou um puxão de orelha”, disse Lacombe. “Não houve agressão ao patrimônio público, simplesmente uma imprudência. Por isso a advertência”, explicou.

O presidente disse também que a Comissão de Ética Pública intimará o ex-diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Paulo Vieira, envolvido em esquema de corrupção investigado pela Polícia Federal e que resultou na Operação Porto Seguro. Segundo Lacombe, ele se recusou a receber as convocações da comissão e será convocado, agora, por edital.

Em relação à análise sobre a conduta da ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, que acusou a oposição de ser responsável pelos boatos que geraram uma corrida às agências da Caixa Econômica Federal por beneficiários do Bolsa Família, a Comissão de Ética decidiu arquivar o processo. A Polícia Federal não conseguiu chegar à fonte dos boatos.

Leia tudo sobre: FABaviãoComissão de ÉticaGaribaldi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas