Câmara aprova proposta que obriga convênios a pagar remédios contra o câncer

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Projeto que altera a Lei dos Planos de Saúde passou na CCJ e, se não houver recurso, vai direto para a sanção de Dilma; texto prevê cobertura para medicamentos de uso oral, incluindo os de controle dos efeitos do tratamento

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou nesta terça-feira (27) proposta que obriga os planos privados de saúde a cobrir despesas com medicamentos de uso oral contra o câncer, incluindo remédios para o controle de efeitos adversos relacionados ao tratamento. A proposta tem caráter conclusivo e, se não houver recurso para leva-la a plenário, seguirá para sanção presidencial.

Leia mais:

Mesmo com vitórias judiciais, pacientes sofrem com planos de saúde

Justiça de São Paulo limita reajustes 'usou, pagou' em plano de saúde coletivo

O texto aprovado também inclui a cobertura de procedimentos radioterápicos para tratamento de câncer e hemoterapia, desde que estejam relacionados à continuidade da assistência prestada por meio de internação hospitalar. As medidas estão previstas no projeto de lei 3998/12, do Senado, que altera a Lei dos Planos de Saúde (9.656/98). O relator na CCJ foi o deputado Ricardo Berzoini (PT-SP).

O texto aprovado é um substitutivo acatado anteriormente pela Comissão Defesa do Consumidor, com emenda da Comissão de Seguridade Social e Família. O substitutivo trocou o termo “quimioterapia oncológica domiciliar de uso oral” por “tratamentos antineoplásicos domiciliares de uso oral”. Os medicamentos antineoplásicos são usados para inibir ou evitar a disseminação de tumores malignos (câncer).

A emenda aprovada na Seguridade passou a permitir o fracionamento por ciclo desses medicamentos, de acordo com a prescrição médica, uma vez que o tratamento do câncer quase sempre combina mais de uma etapa, como cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou transplante de medula óssea. Ainda segundo a emenda, os medicamentos serão oferecidos diretamente ao paciente.

Autora da proposta, a senadora Ana Amélia (PP-RS) explicou que atualmente cerca de 40% dos tratamentos oncológicos empregam medicamentos de uso domiciliar, em substituição ao regime de internação hospitalar ou ambulatorial. Segundo ela, em 15 anos, 80% dos tratamentos oncológicos serão feitos na casa do paciente, com medicamentos de uso oral.

Com Agência Câmara

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas