Peritos preparam exumação dos restos mortais do ex-presidente João Goulart

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

João Goulart morreu no exílio, em 6 de dezembro de 1976, na Argentina. Objetivo é descobrir se ele foi assassinado

Agência Brasil

Uma equipe de peritos da Polícia Federal (PF), da Comissão Nacional da Verdade (CNV), da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) e do Ministério Público Federal visitou nesta quarta-feira (21) o jazigo do ex-presidente João Goulart, no município de São Borja (RS) para preparar a exumação dos seus restos mortais. O objetivo é descobrir se ele foi assassinado.

Viúva de Jango: 'É o encerramento dessa história, que passa a ser mais triste'

Entenda: Comissão da Verdade vai investigar morte de João Goulart

Filme: Dossiê alerta para necessidade de investigação da morte do presidente

Divulgação
O ex-presidente João Goulart, morto em 1976

Os técnicos vão analisar as características do túmulo e do cemitério, verificar se há necessidade de isolar a área próxima e identificar a estrutura existente para o transporte do material até o aeroporto. A medida permitirá aos peritos planejar a exumação, ainda sem data para ocorrer. Após o trabalho, os restos mortais dos ex-presidente serão transferidos para Brasília, onde serão examinados no Instituto Nacional de Perícia da PF.

Além dos técnicos brasileiros, participam do trabalho peritos argentinos, uruguaios e da Cruz Vermelha. Parentes do ex-presidente também acompanharão a investigação.

Leia mais:
Espião uruguaio pode desvendar mistério de agente duplo da ditadura
Documentos traçam perfil dúbio de ‘Zorro’
‘Evidências de traição eram muito fortes’, diz ex-companheiro

João Goulart morreu no exílio, no dia 6 de dezembro de 1976 em Mercedes, cidade do Norte da Argentina. A exumação faz parte de uma investigação para esclarecer se a causa da morte João Goulart foi mesmo um ataque cardíaco, conforme divulgaram na ocasião as autoridades do regime militar.

Parentes e amigos próximos do ex-presidente sustentam a tese de que a morte pode ter ocorrido em função da substituição de medicamentos rotineiros de Goulart, feita por agentes da repressão uruguaia. As investigações conduzidas pela CNV, apontam que o ex-presidente foi uma vítima da Operação Condor, montada pelas ditaduras militares do Brasil, da Argentina e do Uruguai para perseguir opositores.

A exumação dos restos mortais do ex-presidente João Goulart poderá ter um resultado não conclusivo pelo nível de decomposição da massa óssea, o que pode impedir de se chegar a um resultado definitivo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas