Temendo protesto, Câmara retira do Facebook convite para audiência de transporte

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo vai se concentrar no Teatro Municipal, no centro da cidade, e seguir em marcha até a Casa Legislativa

Temendo que uma superlotação acabe em protesto e nova depredação da Câmara Municipal de São Paulo, a Casa Legislativa tirou do ar o evento criado em sua página no Facebook convidando a população a participar da audiência para discutir o transporte público na cidade. Marcado para as 18h desta quinta-feira (22), o encontro é tratado como uma vitória pelos manifestantes que no protesto do dia 14 de agosto foram recebidos pelo presidente da Casa, José Américo (PT). Na ocasião, ele prometeu discutir o passe livre e o acesso aos documentos da CPI do transporte.

PT aponta 'cavalo-de-pau' em protesto liderado pelo PSTU

O evento no Facebook foi criado na terça-feira (20), dois dias antes do encontro. Mas na tarde desta quarta a página foi retirada do ar sem nenhuma justificação. Ao iG, interlocutores confirmam que a decisão se deveu à possibilidade de que uma superlotação transforme o encontro em um novo protesto, suspeita que chegaram a ganhar os corredores da Câmara. Questionada pela reportagem, a assessoria da Casa afirmou que o evento foi retirado do ar porque precisava de informações adicionais.

Natália Peixoto / iG São Paulo
Esquema especial de segurança para o encontro também estaria sendo preparado

Um esquema especial de segurança para o encontro também estaria sendo preparado, mas a assessoria nega essa informação ao afirmar que se trata de um convite aos manifestantes, diferente do que vem ocorrendo em outras casas legislativas do País. No Rio de Janeiro, por exemplo, sete pessoas permanecem acampadas na Câmara embora a Justiça tenha concedido reintegração de posse na noite de terça.

Imagens: Veja fotos e vídeos do último protesto em São Paulo
O protesto: Manifestação muda posição e adota o "Fora, Alckmin!"
Mais : Integrantes do Pânico e CQC são expulsos de manifestação

Amanhã, a polícia vai acompanhar a audiência muito antes dela começar. É que os líderes do movimento marcaram a concentração no Teatro Municipal duas horas antes. De lá, o grupo sairá em passeata até a Câmara. Além do passe livre, a carta de reivindicações pedirá o fim das terceirizações no transporte e a intervenção em assuntos de outras esferas, como o funcionamento do Metrô por 24 horas, uma atribuição do Estado.


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas