Manifestação prevista por movimentos terminou pacífica, mas grupo que seguiu para Câmara entrou em confronto

A manifestação que marcou a volta do Movimento Passe Livre (MPL) aos protestos em São Paulo terminou em confusão nesta quarta-feira (11), no centro da cidade. Após o trajeto original ter sido cumprido e o MPL finalizado o ato, um grupo de manifestantes foi para a frente da Câmara Municipal de São Paulo, onde ocorreram os confrontos.

Imagens: Veja fotos e vídeos dos protestos desta quarta-feira em São Paulo
O protesto: Manifestação muda posição e adota o "Fora, Alckmin!"
Mais : Integrantes do Pânico e CQC são expulsos de manifestação

Após protestar em frente ao Legislativo paulistano, parte do grupo entrou na Câmara para apresentar suas reivindicações. Um impasse sobre o número de pessoas que seriam recebidas pelo presidente da Casa, José Américo (PT), gerou tumulto após a entrada do grupo. Fora da Câmara, os manifestantes foram para cima dos policiais que faziam a segurança do local e houve enfrentamento.

No confronto, os manifestantes jogaram bombas contra o prédio e forçaram a barricada formada pelos políciais militares, que reagiram com gás de pimenta. Os manifestantes voltaram a jogar bombas e pedras contra os agentes, que responderam com bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes. Segundo a PM, três pessoas foram presas e três policiais ficaram feridos.

O presidente da Casa José Américo recebeu um grupo de manifestantes, integrantes do PSTU, e acordou que será realizado uma audiência pública na próxima quinta-feira com representantes dos movimentos e da CPI dos Transportes. O presidente também prometeu que o grupo terá acesso a todos os documentos que a CPI dos Transportes, realizada na Câmara, acumulou até o momento. Veja abaixo imagens de como começou o confronto:

A manifestação começou às 15h no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo. Um segundo ato, onde também houve confronto e feridos , foi convocado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), começou às 17 horas em frente à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). O objetivo é pressionar pela abertura de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) que investigue o envolvimento de tucanos no esquema de formação de cartel no Metrô e na CPTM.

Protesto pacífico

Antes, ao chegar à Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos, na rua Boa Vista, onde entregaram uma carta com reivindicações a um assessor da pasta, os manifestantes permaneceram no entorno da prefeitura, perto da praça do Patriarca. A entrega da carta seria o ato final do protesto, mas cerca de mil manifestantes seguiram mobilizados na região, de acordo com o presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Altino de Melo Prazeres Júnior. A PM dá um número menor: 1,2 mil pessoas.

Alesp

Confusão entre policiais e manifestantes durante protesto em frente à Assembleia Legislativa de São Paulo
Renato S. Cerqueira/Futura Press
Confusão entre policiais e manifestantes durante protesto em frente à Assembleia Legislativa de São Paulo

Iniciado às 17 horas, o ato em frente à Alesp reuniu 600 manifestantes, segundo a PM. Em minoria na Alesp, os deputados estaduais do PT decidiram se revezar no microfone da tribuna da Casa com discursos sobre o caso Siemens. A estratégia visa obstruir a pauta do dia e constranger a base do governador Geraldo Alckmin (PSDB) a aprovar a CPI. No entanto, com ampla maioria, o governo de São Paulo barra a criação da comissão. A oposição conta com 26 das 32 assinaturas necessárias, mas não consegue avançar.

* Com informações de Renan Truffi, Ricardo Galhardo e Wanderley Preite Sobrinho

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.