Manifestação no centro da capital não teria como foco o governador paulista, mas bandeira foi levantada no ato

Com faixas e cartazes contra o governador Geraldo Alckmin , a organização da manifestação do sindicatos dos Metroviários de São Paulo, ligado ao PSTU, ajustou a posição do protesto em relação a cobrança sobre a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os desvios por um suposto cartel que atuaria no Metrô e CPTM.

Confusão: Protesto termina com confronto, depredação, presos e feridos
Anúncio: Atos contra corrupção no Metrô reúnem PT, sindicatos e MPL

Até ontem, o movimento, que conta com a organização do Movimento Passe Livre (MPL), era contra a inclusão do pedido de CPI na pauta da manifestação. Eles chegaram a negar um pedido do PT de inclusão na carta que será entregue na Secretaria de Transportes Metropolitanos. Mas a posição mudou nesta quarta-feira.

Essa é a primeira manifestação convocada pelo MPL em São Paulo desde a série de protestos organizados pelo grupo no mês de junho
Renan Truffi/iG São Paulo
Essa é a primeira manifestação convocada pelo MPL em São Paulo desde a série de protestos organizados pelo grupo no mês de junho

"Nunca fomos contra a CPI, só achamos que só a comissão não resolve", disse o presidente nacional do PSTU, José Maria de Almeida, durante o protesto.

De acordo com o presidente do sindicato dos Metroviários do Estado de São Paulo, Altino de Melo Prazeres Júnior, a situação ideal é que exista mobilizações populares que forcem tanto Ministério Público (MP) Estadual, responsável por dezenas de ações sobre o caso, quanto a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), caso seja instalada a CPI, a investigar efetivamente os desvios. 

"O problema não é a CPI. E essa assembleia domindada pelo PSDB e pelo governo onde tudo acaba em pizza. Acreditamos que só pressão popular pode levar a punição dos culpados e a devolução do dinheiro roubado. Seja com uma CPI, seja por meio do Ministério Público", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.