Novo modelo de articulação desperta desconfiança e irritação na base

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Na volta do recesso, polêmica em torno do orçamento impositivo foi marcada por críticas à atuação do Planalto e demandou intervenção do vice Michel Temer

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a volta do recesso para inaugurar um novo modelo na relação com deputados e senadores. A ordem era abrir mais canais de diálogo com os parlamentares que integram a base de apoio ao governo. Na primeira semana de trabalho do Congresso, no entanto, o Palácio do Planalto viu a sua articulação política dar sinais de ineficiência, provocando irritação e desconfiança em setores da base, durante as discussões para a votação do chamado orçamento impositivo.

Leia mais: Governo faz mutirão para agilizar pagamento de emendas

Câmara: Votação de orçamento impositivo é adiada para semana que vem

Após dias de tensão, o Planalto conseguiu na última hora adiar a votação da proposta, que obriga o governo a executar as emendas parlamentares aprovadas na proposta orçamentária. A desistência do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), em pautar o tema no plenário, no entanto, ocorreu mais em função de um pedido feito pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) do que pela ação da ministra Ideli Salvatti, da Secretaria de Relações Institucionais (SRI).

Agência Brasil
Henrique Alves coordena reunião de líderes partidários da Câmara dos Deputados

Na noite de segunda-feira, logo após Dilma se reunir com líderes da base e pedir uma trégua na relação entre governo e Congresso, Ideli foi alertada pelo líder do PT, José Guimarães (CE), de que o tema do orçamento impositivo seria levado adiante pelo presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). O aviso foi dado longe dos ouvidos dos demais líderes, apontando a necessidade de o Planalto se mover para impedir a votação. Mesmo assim, Ideli, segundo relatos, passou a terça-feira sem se envolver diretamente nas conversas com líderes da base ou com o próprio presidente da Câmara.

Leia mais:

Comissão aprova PEC do orçamento impositivo, que desagrada governo

Presidente da Câmara critica 'toma lá, dá cá' de emendas e pede aprovação de PEC

Só na manhã de quarta-feira é que a perspectiva de votação começou a mudar. Uma reunião no Planalto deu um novo rumo às negociações. Participaram do encontro a ministra Ideli, a chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ); e o vice-presidente. Temer saiu da reunião e chamou Henrique Eduardo Alves para almoçar. Após o almoço, Alves recuou. Um dia antes, ele havia anunciado a votação da proposta na Comissão Especial, aonde foi pessoalmente pedir aos deputados a aprovação do texto elaborado pelo relator Édio Lopes (PMDB-RR).

Antes de desistir de colocar o tema em votação, já na quarta-feira, Alves dizia a quem o questionasse que não havia recebido nenhum pedido do Planalto para deixar de pautar o assunto, que foi usado como plataforma de sua campanha à Presidência da Câmara no início do ano. A cada pergunta sobre a relação dele com o governo, justificava-se. “Ninguém me pediu nada”, repetia pelos corredores da Câmara.

Irritação

A forma como o Planalto tratou o assunto irritou deputados governistas, principalmente do PT, que se viram sozinhos contra a proposta. Imaginando que a batalha estava perdida, o líder do PT na Câmara, José Guimarães, chegou a desabafar ao iG: “Os fatos atropelaram os desejos”. O vice-líder do governo, Henrique Fontana (PT-RS), também reclamou. “Tem que ser com emoção. Enfim, cada dia com sua agonia”, disse.

Câmara: Dilma faz novo apelo aprovar royalties do petróleo na educação

Fontana teve de assumir a negociação com os demais líderes devido à ausência do líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP). O parlamentar não estava em Brasília nesta semana, por problemas pessoais.

Ao longo da semana, petistas reclamavam em reservado que o alerta feito por Guimarães não foi o primeiro. Diziam que, desde janeiro, quando a campanha de Alves divulgava a ideia em encontros com as bancadas nos Estados, avisaram ao Planalto que era necessário tratar do assunto com aliados.

Entre os petistas, o sentimento era de que a articulação do governo não deu a importância devida à questão e, por isso, se viu sem ação diante da proposta conduzida pelo presidente da Câmara. Na Casa, alguns colegas de partido da presidente chegaram a dizer que não estavam dispostos a assumir o ônus de votar contra a proposta.

Modelo

Embora a estreia do diálogo mais próximo com a base não tenha produzido resultados imediatos, a presidente Dilma vem dando sinais de que está disposta a tentar seguir os conselhos que recebeu do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de conversar mais com parlamentares.

Além de receber a base na Câmara na segunda-feira, a presidente prometeu nova reunião para tratar de temas mais polêmicos, como a distribuição de royalties de petróleo para as áreas de educação e saúde, a proposta que obriga a União a destinar 10% da receita corrente bruta para a Saúde e a apreciação de vetos presidenciais. Dilma também se reuniu na terça-feira com os líderes aliados do Senado e, na quinta, com a bancada do PT na Casa.

Segundo interlocutores, Dilma procurou dar a Ideli mais condições de conduzir a desgastada relação com o Congresso, ao mesmo tempo em que pediu mais discrição ao ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que antes do recesso vinha desempenhando ostensivamente a função de interlocutor do governo com deputados e senadores.

Mercadante ainda segue envolvido na articulação, principalmente nas situações em que o governo entender seu envolvimento como fundamental. Um ponto que caberá ao ministro negociar será o que trata da distribuição de royalties de petróleo.

“Houve uma avaliação de que o fato de haver muitos interlocutores do governo estava atrapalhando e por isso a presidente decidiu centralizar tudo na Ideli”, explicou o líder do PT no Senado, Wellington Dias.

Das três reuniões de Dilma com líderes nesta semana, Mercadante participou somente da primeira, com os líderes da Câmara. As outras duas reuniões, com líderes aliados e petistas do Senado, contaram com a presença de Ideli, de Gleisi e do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que tem sido solicitado para as negociações do programa Mais Médicos. O governo também tratou de avisar aos líderes sobre a condução do processo. “Já me disseram que é a Ideli quem manda”, disse o líder do PR, Anthony Garotinho (RJ).

Leia tudo sobre: dilma rousseffbase aliadacongresso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas