Bancada do PT na Alesp pede afastamento de servidores citados em cartel

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

A bancada petista pediu a suspensão imediata dos contratos firmados entre o Estado e as empresas Alstom e Siemens, suspeitas de participação no suposto esquema

Agência Estado

A bancada do PT na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) reuniu-se, na manhã desta sexta-feira, 9, com o procurador-geral de Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, e pediu o afastamento de agentes públicos envolvidos na suposta formação de cartel em licitações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

MP: Empresas de cartel do metrô serão tratadas como organizações criminosas

Alckmin: 'Se for confirmado cartel, Estado é vítima', diz governador de SP

Evaldo Fortunato/Futura Press
Investigação apura formação de cartel nos contratos de trens e metrô em São Paulo

O líder do PT na Alesp, Luiz Claudio Marcolino, defendeu o afastamento de agentes para evitar possíveis interferências no processo investigativo. "Há vários agentes atuais que estavam (no governo) na época dos contratos. O que pode acontecer é, caso eles não sejam afastados, criarem um processo de ocultação de provas e dificultar o processo de investigação", afirmou.

Além disso, a bancada petista pediu a suspensão imediata dos contratos firmados entre o Estado e as empresas Alstom e Siemens, suspeitas de participação no suposto cartel. "A suspensão dos contratos se faz necessária para o bem do serviço público, pois possibilitará a avaliação e possível revisão dos contratos que estejam contaminados pelo cartel da corrupção, superfaturamento e pagamentos de propina", diz trecho de nota do PT.

Leia mais sobre o caso:

Superfaturamento de cartel de trens e metrô pode chegar a R$ 577 milhões

Alckmin anuncia comissão para acompanhar investigações sobre Metrô e CPTM

Petistas e tucanos tentam romper segredo de investigações do Metrô

Os petistas solicitaram o afastamento dos seguintes agentes públicos: Jurandir Fernando Ribeiro Fernandes (secretário de Transportes Metropolitanos), Mário Manoel Rodrigues Seabra Bandeira (diretor presidente da CPTM), José Luiz Lavorente (diretor de Operação e Manutenção da Companhia da CPTM), Décio Gilson Tambelli (coordenador da Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões da Secretaria de Transportes Metropolitanos e ex-diretor de Operação do Metrô) e Nelson Scaglioni (gerente de Manutenção do Metrô).

O procurador-geral Elias Rosa informou, por meio de nota, que o ofício será encaminhado aos promotores de Justiça do Patrimônio Público e Social e do Gedec - Grupo de Atuação Especial de Repressão à Formação de Cartel e à Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos, que têm atribuição nas apurações já em curso.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas