Filho de Mário Covas, vereador rebate acusações sobre cartel no metrô

Por Natália Peixoto - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Mário Covas Neto (PSDB) disse que acusações são 'levianas' e 'sem provas concretas' e pediu provas de envolvimento do governo do seu pai no esquema

O vereador de São Paulo Mário Covas Neto (PSDB) rebateu as acusações de que o seu pai, o ex-governador Mário Covas Júnior, teria dado aval para um cartel que teria superfaturado em 20% preços de obras nos trens e metrô, segundo informação revelada em depoimento voluntário de executivos da Siemens ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) do Banco Central.

Leia mais: 

Superfaturamento de cartel de trens e metrô pode chegar a R$ 577 milhões

Alvos de cartel da Siemens, Metrô e CPTM respondem a mais de 130 inquéritos

'Se for confirmado cartel, Estado é vítima', diz Geraldo Alckmin

Covas Neto atribuiu as denúncias a interesses políticos da oposição, e disse que não iria tolerar ataques a reputação do tucano, morto em 2001. “São acusações levianas e sem provas concretas da ligação de qualquer líder do PSDB em esquemas duvidosos”, rebateu. “A intenção dos nomes ligados ao PT, aloprados, mensaleiros e companhia, é desviar o foco do desastre em que se encontra o governo federal e querer culpar adversários políticos”, disse no plenário da Câmara.

Ao iG, o tucano disse que está avaliando que medidas serão tomadas para proteger a honra do seu pai. “Não é pessoal, mas atinge a honra”, afirmou. “Se a empresa está dizendo que teve cartel, deve ter tido mesmo. Se teve participação de algum funcionário, que se apure. Não dá para você respingar no governador, como se ele tivesse interferido para que fosse feito dessa maneira.”

O vereador também disse que é “muito estranho” que a Justiça tenha negado o acesso do governo do Estado às investigações. “Só consigo pensar que trata-se de um sigilo seletivo.”

Leia tudo sobre: SiemensMario CovasCartelGeraldo Alckmin

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas