Distrito Federal aprova projeto que premia quem denunciar corrupção

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Denunciante receberá, em dinheiro, 10% do que for recuperado pelo Estado; proposta segue agora para sanção do governador Agnelo Queiroz

Agência Brasil

A Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou um projeto de lei que prevê prêmio para o cidadão que denunciar casos de corrupção contra a administração pública do DF. A proposta segue agora para sanção do governador Agnelo Queiroz.

De acordo com o PL, o denunciante receberá, em dinheiro, 10% do que for recuperado pelo Estado depois de finalizado o devido processo judicial. A Câmara Legislativa aprovou o projeto no dia 27 de julho. Com a publicação ontem no Diário Oficial, o governador passa a ter 15 dias corridos para dar o seu aval ao projeto.

Leia também:

Brigas internas travam operações da PF contra corrupção

Na lei anticorrupção, Dilma compra nova briga com aliado

Divulgação
Câmara do Distrito Federal aprova projeto que premia quem denunciar corrupção

De acordo com o texto do PL 857/2012, o montante correspondente aos 10% será pago ao denunciante depois de o processo ter transcorrido na Justiça. Estima-se que, atualmente, apenas 3% dos casos de crime contra a administração pública resultem em ressarcimento ao erário do valor corrompido. No Tribunal Regional do Trabalho (TRT), por exemplo, dos R$ 11 bilhões de recursos envolvidos em processos de corrupção, R$ 40 milhões retornaram aos cofres públicos.

Não terão direito à recompensa prevista pelo projeto pessoas que tenham algum tipo de participação no ilícito, como uma forma de delação premiada. Também não podem receber o prêmio organizações não governamentais (ONGs) que trabalhem com transparência ou parlamentares.

O autor do projeto, o deputado distrital Professor Israel Batista (PEN), diz que, se for sancionada, a lei não irá gerar uma onda de denúncias falsas por causa da recompensa. "O objetivo é atingir a população civil, servidores públicos com informações privilegiadas e fazer com que a população saia da indignação e parta para a ação. Queremos mostrar que o cidadão vai ter mais um instrumento para cumprir o seu papel", explica o deputado.

Segundo Batista, a inspiração para a recompensa veio de uma lei americana, que premia os cidadãos com percentuais maiores, 30%.

"Quando falamos em reconhecimento, ao denunciar, a pessoa sofre consequências e ameaças. O valor da recompensa é simbólico, mas respeitoso, e expressa de forma física o reconhecimento de que o denunciante prestou um serviço de importância extremada, ao se arriscar e arriscar a sua família", explica Batista, sobre o fato de o percentual não ser muito baixo, mas não tão alto a ponto de fazer com que a pessoa denunciar pelo dinheiro envolvido.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas