Dilma negocia 'trégua' com o Congresso

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Parlamentares ficaram bem impressionados com a reunião no Planalto e acreditam que ela ajudará a combater o ambiente de falta de diálogo que provocou uma crise da base

Agência Estado

Com a popularidade desgastada, a presidente Dilma Rousseff negociou nesta segunda-feira (5) uma "trégua" com o Congresso Nacional para tentar congelar a agenda de confrontos entre o Planalto e o Legislativo. A primeira tentativa é derrubar a iniciativa do presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), de colocar em votação, amanhã, o orçamento impositivo, que obriga o Planalto a pagar as emendas parlamentares, sem discussão.

Leia também: 'Vamos ser democráticos', diz Dilma sobre relação com a base aliada

Poder Online: Dilma tenta conter rebeldia da base na volta do recesso

Leia mais: Nove partidos deixam 'núcleo duro' de Dilma na Câmara de Deputados

Agência Brasil
Entre os peemedebistas Alves e Temer, Dilma sanciona o Estatuto da Juventude

Na semana passada, Dilma se reuniu com os ministros políticos para acertar a liberação de R$ 6 bilhões em emendas, em uma outra iniciativa para tentar acalmar a base aliada. Os parlamentares ficaram bem impressionados com a reunião no Planalto e acreditam que ela ajudará a combater o ambiente de falta de diálogo que provocou uma crise da base no Congresso.

A presidente se comprometeu a discutir com a base temas polêmicos antes do envio das propostas e abriu espaço para que as reuniões sejam mais frequentes. Na mesma linha de atuação, Dilma receberá nesta terça-feira líderes do Senado para discutir os trabalhos no segundo semestre.

Um dos principais críticos da articulação política do governo, o líder do PMDB, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), saiu da reunião com elogios à iniciativa. "Isso sinaliza a inauguração de uma nova metodologia". Cunha pediu que a presidente retire a urgência constitucional do projeto do marco regulatório de mineração para ajudar na desobstrução da pauta da Casa.

O líder do PSB, Beto Albuquerque (RS), acredita em um convívio "menos tenso" nos próximos dias. "Faz tempo que reclamávamos do diálogo e acho que o governo finalmente dá um sinal concreto que topou dialogar e nos deixa com boa impressão. Estávamos numa luta do cabo de guerra, com o governo pra lá e o Congresso pra cá. Isso agora vai distensionar e significa que não precisaremos mais ficar colocando o governo contra a parede e nem eles nos atropelar", disse.

Leia tudo sobre: dilma rousseffbase aliadacongresso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas