Suspeito de depredar Itamaraty se afasta do cargo na Rede Sustentabilidade

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Integrante do partido de Marina Silva é uma das 7 pessoas identificadas pela PF como responsáveis pelo ato em junho

Um membro da Executiva Nacional Provisória da Rede Sustentabilidade, partido que a ex-senadora Marina Silva tenta fundar, pediu na tarde desta sexta-feira (2) o afastamento do cargo. Pedro Piccolo Contesini é acusado de ser uma das sete pessoas que comandaram os atos de vandalismo no prédio do Itamaraty, durante os protestos ocorridos dia 20 de junho. 

“Errei politicamente”, diz suspeito de depredar Itamaraty

"Em decorrência da investigação iniciada pela Polícia Federal sobre sua suposta participação nos atos de depredação do Itamaraty, Pedro Piccolo Contesini, membro da Executiva Nacional Provisória da Rede Sustentabilidade, pediu nesta tarde o afastamento do cargo até que os fatos sejam apurados", divulgou a Rede Sustentabilidade em nota à imprensa.

Em depoimento publicado em sua página no Facebook, na noite de quarta-feira (31), Contesini afirmou, no entanto, que “não cometeu crime”: “em nenhum momento me passou pela cabeça o que estava por vir e que poderia ser danoso à Rede”. A participação Contesini foi revelada pelo jornal Correio Braziliense. 

Reprodução
Manifestantes colocam fogo no Palácio do Itamaraty em protesto que reuniu mais de 20 mil

O caso

Durante os protestos, um grupo de manifestantes conseguiu invadir o prédio do Itamaraty e quebrou 65 janelas. Vidros foram pichados, os manifestantes colocaram fogo no prédio e destruíram alguns móveis. O prejuízo chegou a R$ 18,4 mil apenas com a reposição dos vidros quebrados segundo o Itamaraty.

Protesto: Político precisa saber que não é imortal', diz manifestante
Brasília: Polícia monitora cerca de 50 ‘laranjas podres’ em manifestação
Mais de 5 mil protestam no DF e invadem o Congresso Nacional

Contesini foi identificado pela Polícia Civil do Distrito Federal ainda no final de junho e prestou esclarecimentos na tarde do dia 24 de junho após ser identificado por meio de fotos e de vídeos feitos pela Polícia Militar durante as manifestações. Em uma das fotos, ele estava com uma barra de ferro na mão. No dia do depoimento, o integrante da Rede Sustentabilidade negou que tenha cometido qualquer ato de depredação no prédio do Itamaraty. No dia do protesto, ele usava uma camiseta da Rede Sustentabilidade.

Na sua página do Facebook, Contesini admitiu que cometeu erros ao usar uma camisa da Rede e que a orientação da executiva era ficar fora das manifestações. “Havia entre nós uma avaliação de que a Rede deveria, como instituição, manter-se afastada das ruas, para evitar qualquer acusação equivocada (ou manipulada) de que queríamos nos aproveitar dos protestos, uma vez que, de várias maneiras, eles se identificavam muito com nossa trajetória e preocupações”, disse Contesini.

Ele ainda justificou a invasão no prédio do Itamaraty após ter sido vítima de spray de pimenta e bombas de gás lacrimogêneo e de efeito. “A tensão foi crescendo e o único lugar que parecia mais desguarnecido de tropas era o Palácio do Itamaraty, para onde a PM praticamente empurrou uma parte dos manifestantes, ao continuar a jogar bombas sobre o gramado diante do Congresso”, descreveu.

“Hoje vejo com clareza os excessos que cometi e o risco a que submeti a Rede, de ser caluniada ou passar a ser objeto de insinuações de ter algo a ver com os quebra-quebras durante as manifestações. Seria algo impensável, pois a linha política da Rede vai em outra direção, sem nenhuma afinidade com soluções violentas, venham de que lado vierem. Estou arrependido, errei politicamente, mas em nenhum momento cometi crime”, disse o integrante da Rede.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas