PT coleta assinaturas para CPI sobre formação de cartel no metrô de São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Cade teria documentos que comprovariam participação do governo do Estado na formação de cartel em licitações

Agência Estado

A bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) iniciou nesta sexta-feira (2) a coleta de assinaturas para instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de formação de cartel entre empresas que participaram de licitações do metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) entre 1997 e 2013.

Após denúncias de cartel, manifestantes protestam contra Alckmin em SP
Além de cartel, Metrô e CPTM respondem a mais de 130 inquéritos

O objetivo, segundo nota emitida à imprensa pela assessoria do PT, é investigar a responsabilidade e/ou a omissão de agentes públicos e políticos no processo. Além disso, eles pretendem investigar se há relação entre essas denúncias e o incêndio ocorrido no dia 9 de julho do ano passado que destruiu documentos do metrô.

Isso porque o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) teria recebidos documentos da empresa alemã Siemens que comprovariam que o governo de São Paulo sabia e deu aval à formação de um cartel para licitação de obras do metrô no estado, segundo denúncia publicada pelo jornal "Folha de S.Paulo". O suposto esquema poder ter causado prejuízo aos cofres públicos durante os governos dos tucanos Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.

Divulgação
Em SP, cartel atuou no fornecimento de trens e na construção das Linhas 5-Lilás e 2-Verde

Paralelo a essa coleta, a bancada busca assinaturas para que seja permitida a tramitação de uma sexta CPI na casa, já que pelo regimento interno são permitidas apenas cinco CPIs funcionando simultaneamente, número já preenchido.

Segundo o líder do PT, Luiz Claudio Marcolino, o partido já tem um pedido de CPI protocolado para apurar esse caso desde outubro de 2011, no entanto, a previsão de instalação é para maio de 2014. "O Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado não apuraram nada apresentado a eles. Essa é uma denúncia grave e deve ser apurada pela Assembleia", afirmou o parlamentar.

Outras denúncias

Além do susposto envolvimento na formação de cartel, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e o Metrô são objeto de mais de 130 investigações por supostas irregularidades em contratos e licitações segundo dados do Ministério Público Estadual de São Paulo. Segundo uma fonte do órgão, o valor dos contratos suspeitos ultrapassa R$ 1,5 bilhão.

Licitações do Metrô e CPTM tinham esquema de cartel desde 1998

No total, CPTM e Metrô são alvo de mais de 200 inquéritos em andamento no MPE. Grande parte deles é referente a questões cotidianas como mal funcionamento dos trens, estações e reclamações trabalhistas. 

Outras 135 investigações, no entanto, dizem respeito a suspeitas de mal uso de dinheiro público. Alguns inquéritos apuram contratos milionários como o da implantação do sistema ferroviário da CPTM entre o Capão Redondo e o Largo 13 de Maio ao custo de R$ 404 milhões. 

Leia tudo sobre: POLÍTICACartelMetrôMetrô de São PauloigsplicitaçãoCPTMtucanosAlckminSerraPSDB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas