Sindicalistas pedem esclarecimento de casos de desaparecimentos na ditadura

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Líderes pediram investigações em evento que lembrou a greve geral de 1983

Agência Brasil

Líderes sindicais presos durante o período militar pediram hoje (22) o esclarecimento de casos de desaparecimento de trabalhadores perseguidos pela ditadura militar. As manifestações foram feitas durante o ato que lembrou os 30 anos da greve geral de 1983, que levou milhões de trabalhadores às ruas e foi decisiva para derrubar a ditadura. No evento, ocorrido na sede do Sindicato Nacional dos Aposentados, foram exibidos vídeos com depoimento de torturados e de ações de repressão.

Leia também: Bebê sequestrada e deixada em orfanato em 1974 pode ser filha de guerrilheiros

Guerrilha: Documento pode mudar versão sobre descoberta do Araguaia

Gabriela Bilo/Futura Press
Sindicalistas pedem esclarecimento de crimes durante a ditadura militar

Para Arnaldo Gonçalves, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Santos, a paralisação de 1983 e os movimentos anteriores da classe trabalhadora foram fundamentais para por fim à atuação dos militares e instalar a democracia no país. “Foi um passo importante na conquista da democracia e para a virada histórica”, salientou. “É importante que não se esqueça dos companheiros [desaparecidos]”, concluiu o ex-líder sindical.

Delatores: Empresas serão investigadas por perseguição a sindicatos

O ex-dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José, Derly José de Carvalho, espera que os assassinatos e desaparecimentos ocorridos na época sejam esclarecidos e os responsáveis conhecidos. A Comissão Nacional da Verdade terá um grupo de trabalho que investigará a repressão aos trabalhadores e ao movimento sindical durante a ditadura militar.“Não acredito em bons resultados se as centrais sindicais não se engajarem nesse trabalho”, ponderou.

O secretário nacional de Políticas Sociais da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Expedito Solaney, lembrou que a greve de 83 teve a adesão de cerca de 2 milhões de trabalhadores que protestavam contra o regime militar. Segundo ele, mais de 400 sindicalistas foram vítimas da repressão militar apenas no dia da greve.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas