Alckmin vende helicóptero, corta cargos e anuncia economia de R$ 355 milhões

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Em resposta aos protestos, governador de São Paulo prepara decreto que extingue mais de 2 mil cargos comissionados e três secretarias

Agência Estado

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, anunciou, nesta sexta-feira (28), o corte de R$ 355 milhões em gastos. A economia, que dependerá de um decreto publicado amanhã, será de  R$ 129,5 milhões em 2013 e R$ 129,5 milhões em 2014. Dentre as medidas anunciadas, como uma das formas de compensar a revogação do aumento das tarifas, estão a extinção de 2036 cargos em comissão que já estão vagos, o fim da Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano, que será transformada em um órgão da Casa Civil e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap), Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal (Cepam), a serem fundidas por meio de um projeto de lei. Ele confirmou que haverá demissões com a reforma administrativa, mas não citou números.

Leia também:

Em resposta a manifestações, Alckmin defende 'pacto' pela reforma política

De Paris, Alckmin chama manifestantes de 'vândalos e baderneiros'

Divulgação
O governador Geraldo alckmin

Alckmin anunciou, ainda, que o helicóptero usado pelo Palácio dos Bandeirantes será vendido e que um total de 1044 veículos alugados ou próprios serão cortados da frota. O governador disse também que haverá corte de 10% nos gastos nas diárias de viagens e das passagens aéreas e que o programa de economia de água, já existente em alguns órgãos públicos, será ampliado. Ainda de acordo com o governador, a redução com luz será de 10% e com as telefonias fixa e móvel será em torno de 20%. O mesmo porcentual será cortado com gastos em combustíveis. "Não cortaremos um centavo de investimento, renegociaremos mais contratos, pois o ajuste fiscal é uma obra inacabável, sempre pode ser feito mais", ponderou.

Pacote:

Haddad e Alckmin anunciam redução no preço da passagem

Governo de São Paulo suspende reajuste dos pedágios nas rodovias estaduais

Alckmin anuncia queda nos homicídios em maio, mas 2013 segue com mais casos

O governador confirmou também a extinção da Centro de Pesquisas e Estudos de Turismo da UniverCidade (Cepetur) e da Superintendência do Trabalho Artesanal nas Comunidades (Sutaco). "Estamos estudando muitas outras medidas, mais à frente, e queremos reduzir mais secretarias no futuro". Indagado sobre se as medidas anunciadas hoje só ocorreram por conta dos protestos para a redução das tarifas, Alckmin afirmou que o enxugamento da máquina é feito desde o governo Mário Covas e que as contas foram reequilibradas sem tirar a capacidade de investimento. "A população deseja tarifas menores e serviço público melhor. A redução da tarifa já foi importante, agora é melhorar o transporte público."

Leia tudo sobre: alckminorçamento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas