Feliciano agora diz que não existe 'cura gay'

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Em vídeo divulgado na internet, o presidente da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara diz que "homossexualidade não é doença"

Agência Estado

Alan Sampaio / iG Brasília
Pastor Marco Feliciano (PSC-SP)

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, deputado Marco Feliciano (PSC-SP), divulgou um vídeo na internet para defender o projeto que ficou conhecido como "cura gay", aprovado na semana passada pelo colegiado.

Leia mais:

Feliciano pede ‘juízo’ a ministra que criticou aprovação da ‘cura gay’

Ministra de Direitos Humanos diz que vai trabalhar contra projeto da 'cura gay'

Poder Online: Comissão de Direitos Humanos aprova projeto da cura gay

Na gravação, o pastor faz questão de ressaltar que o projeto não é de sua autoria, mas do deputado João Campos (PSDB-GO), também da bancada evangélica. Apesar de o projeto abrir uma brecha para o "tratamento" de gays, o deputado Feliciano afirma, no vídeo, que homossexualidade não é doença.

"Não existe cura gay, porque homossexualidade não é doença", diz o deputado. Ele continua: "Mas não podemos tolher o direito de um profissional, como um psicólogo, de estudar um assunto que ainda não se colocou nele um ponto final, ainda é uma incógnita, ainda é um fenômeno".

O deputado omite o fato de que o projeto é apoiado por religiosos, não por psicólogos. A proposta, que passará ainda por duas comissões da Câmara antes de ir a plenário, suspende trechos de resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP), de 1999. Ela anula, por exemplo, o parágrafo único que diz que "os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades".

O Conselho já se manifestou contra o projeto. Para a conselheira Cynthia Ciarallo, a retirada desse trecho da resolução indica que há uma intenção concreta de permitir que os psicólogos possam trabalhar pela cura da homossexualidade.

Manifestações

Feliciano será alvo de novas manifestações contra sua presença no comando da comissão. Oito cidades, entre elas São Paulo e Brasília, convocaram para esta quarta-feira, 26, protestos contra o deputado. "Quem derrubou o preço das tarifas vai derrubar Feliciano", diz a página do evento no Facebook, em referência às manifestações dos últimos dias.

No vídeo, Feliciano afirma ter sido usado como "bode expiatório" pela imprensa para tirar o foco do descontentamento das pessoas. Segundo o deputado, depois que os jornais pararam de falar dele e começaram a mostrar os problemas do Brasil, as manifestações tomaram as ruas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: cura gayfelicianoigaycomissão de direitos humanos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas