Barbosa defende maior participação popular e menor influência de partidos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente do STF disse que representação política vive grave crise e que não conversou com Dilma sobre a legalidade de uma Assembleia Constituinte específica

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, afirmou nesta terça-feira (25) que o país vive uma crise "grave" de representação política e de "legitimidade" e defendeu que o povo seja consultado com mais regularidade, após a presidente Dilma Rousseff propor na véspera o debate sobre um plebiscito que autorize um processo constituinte para a elaboração de uma reforma política.

Congresso: Renan diz que apoia 5 pactos de Dilma e propõe passe livre a estudantes

Acordo: Câmara deve votar hoje PEC 37, fundo dos Estados e royalties à educação

Leia mais: A governadores e prefeitos, Dilma propõe ‘cinco pactos em favor do Brasil’

Barbosa, que mais cedo nesta terça-feira se reuniu com Dilma, defendeu "diminuir, mitigar, não suprimir" a influência dos partidos na vida política brasileira e destacou ainda que a reforma política deveria criar um "recall”. Ele afirmou que o povo está pronto para ser ouvido nas questões nacionais, como a necessidade de reforma política.

Barbosa disse que não conversou com a presidenta sobre a legalidade da convocação de Assembleia Constituinte específica para discutir a reforma política. Ele ressaltou, porém, que essa reforma só seria possível por meio de emendas à Constituição, e não apenas por projetos de lei, e disse que tem dúvidas sobre a eficácia deste método. “Essas emendas já não tramitam no Congresso há anos? Houve, em algum momento, demonstração de vontade política de levar adiante essas reformas?”, questionou.

Saiba mais: Dilma ordena ofensiva para aprovar 100% dos royalties para educação

Sobre o pronunciamento: A presidenta Dilma Rousseff falou, mas não disse

Barbosa, que disse ser favorável a candidaturas avulsas, considera que suplente de senador é "excrescência injustificável". "A sociedade brasileira está ansiosa para se ver livre desses grilhões partidários que pesam sobre seus ombros", disse o ministro, para quem o sistema deve mudar para viabilizar "pitadas de vontade popular".

Ele também se mostrou favorável à diminuição do peso político na promoção de juízes. Segundo ele, na conversa que teve com a presidente Dilma, defendeu a proibição de advogados atuarem em tribunais em que tenham parentes. "Estamos passando por momento de crise grave. O que a sociedade quer são respostas práticas rápidas", disse. "O Brasil está cansado de reformas de cúpula", acrescentou. Barbosa defendeu ainda a participação do povo na discussão das reformas. "O que se quer é o povo participando das discussões", afirmou.

O presidente do STF negou a possibilidade de ser candidato à Presidência da República no ano que vem, embora tenha se declarado "lisonjeado" de ter seu nome citado em pesquisas de opinião. "Não tenho a menor vontade de me lançar candidato a presidente da República", disse o ministro a jornalistas, ao ser questionado sobre uma pesquisa do instituto Datafolha que o apontou como favorito entre manifestantes que participaram de um protesto em São Paulo.

Com Reuters, Agência Brasil e Agência Estado



Leia tudo sobre: joaquim barbosastf

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas