Haddad devia abrir o diálogo, diz Luiza Erundina sobre manifestações em SP

Por Brasil Econômico - Pedro Venceslau | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Deputada, que tentou implantar o passe livre quando foi prefeita da capital paulista, criticou postura ambígua do prefeito e o uso da PM de Alckmin para resolver 'problemas sociais'

Brasil Econômico

Agência Brasil
Erundina defendeu diálogo com manifestantes em São Paulo e criticou Haddad e Alckmin

Quando era prefeita de São Paulo no fim dos anos 80, Luiza Erundina encampou o Passe Livre como o carro chefe de sua gestão. A ideia era simples, mas parecia ao mesmo tempo promissora, factível e revolucionária: diluir o preço das passagens no IPTU. O projeto acabou não vingando por falta de apoio na Câmara Municipal e na opinião pública, mas se transformou na semente teórica por trás do movimento que tem ocupado a cidade as capas dos jornais.

Haddad: "Maneira como as coisas são conduzidas não constrói uma solução"

“O passe livre é uma solução criativa, ousada e que precisa ser adotada”, disse Erundina, hoje deputada federal do PSB, ao Brasil Econômico. Nessa entrevista exclusiva, ela critica duramente a postura do prefeito Fernando Haddad - de quem desistiu de ser vice nas eleições passadas após a aliança do PT com o partido de Paulo Maluf - e a violência da PM do governador Geraldo Alckmin.

Vídeo: Veja imagens e personagens do confronto desta quinta-feira em SP
PM prende, agride e impede trabalho de jornalistas em protesto em São Paulo
Jornalista detido por 'porte de vinagre' durante protesto é liberado em SP
Repórter é baleada no olho com bala de borracha durante protesto em São Paulo
Haddad diz que valor da passagem será mantido e repudia violência dos protestos

Brasil Econômico: A senhora foi prefeita e conheceu por dentro as finanças de São Paulo. É possível acabar com a cobrança da tarifa de ônibus?

Luiza Erundina: O Passe Livre é uma solução criativa, ousada e necessária. Quando eu era prefeita, o projeto consistia em diluir o valor do custeio do sistema de transporte no IPTU. Seria criado um Fundo do Transporte. Isso socializaria o custo do serviço público. Uma PEC (Projeto de Emenda Constitucional) de minha autoria que tramita na Câmara abre caminho para isso. Ela reconhece institucionalmente o transporte como direito social, assim como saúde e saneamento.

Brasil Econômico: Por que não conseguiu implantar o Passe Livre em seu governo?

Luiza Erundina: Faltou apoio político da base aliada e do próprio PT. Eu era prefeita do partido, mas o partido nunca assumiu meu governo como sendo dele.

Brasil Econômico: Como avalia a postura do prefeito Fernando Haddad (PT) em relação às manifestações?

Luiza Erundina: Haddad adotou uma postura muito conservadora. Diz que apoia a liberdade de expressão, mas defende a repressão policial. Sua posição é ambígua e isso me preocupa. Outra coisa foi sinalizada por ele na campanha, por isso o apoiei. O prefeito devia também estar mais aberto ao diálogo. Devia chamar os líderes do movimento para um conversa de igual para igual. O governo dele não é democrático.

Brasil Econômico: E o governador Geraldo Alckmin?
Luiza Erundina: A postura dele é a mesma de sempre: chamar a PM para resolver problemas sociais.

Manifestantes tomam as ruas de SP em protesto contra aumento da tarifa de ônibus. Foto: Euclides Oltramari Jr./Futura PressManifestantes colocam fogo em lixo durante concentração na Praça do Ciclista, na Avenida Paulista. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressÔnibus incendiado e depredado próximo da Praça da Sé durante protesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô, na cidade de São Paulo (SP).. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressGrupo bloqueia passagem de carros na Paulista na altura da Bela Cintra, no fim do protesto. Foto: Renan TruffiManifestante e PMs em protesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô em SP. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressDepredação de agência bancária durante protesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô em SP. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes picham e depedram ônibus no  Terminal Parque Dom Pedro . Foto: Futura PressManifestantes chegam à Paulista e invadem as duas faixas da avenida. Foto: Renan TruffiAgência bancária depredada na Avenida Paulista. Foto: Renan TruffiManifestantes chegam à Paulista. Foto: Renan TruffiO ato contra o aumento da passagem de ônibus se dirige à Avenida Paulista. Foto: Renan TruffiManifestantes bloqueiam o trânsito sentido Paulista da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiAgências bancárias depredadas por manifestantes contra o aumento da passagem de ônibus na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiManifestantes contra o aumento da passagem de ônibus picham poste na Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiAgências bancárias depredadas por manifestantes contra o aumento da passagem de ônibus na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiManifestante ateia fogo a lixo na Praça da Sé, durante confronto com a Tropa de Choque. Foto: Renan TruffiCerca de 400 policiais acompanharam o protesto desde a Avenida Paulista. Foto: Futura PressManifestação reuniu mais de duas mil pessoas. Foto: Futura PressProtesto contra aumento das passagens de transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressProtesto contra aumento das passagens de transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes mudam rumo do protesto e iniciam descida na rua da Consolação. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloConcentração do protesto na Praça do Ciclista, no início da Avenida Paulista. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloPoliciais militares prendem manifestante que tentou bloquear faixa de ônibus na Consolação. Foto: Renan TruffiProtesto contra aumento das passagens de transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes protestam contra o aumento no valor da tarifa nesta terça-feira(11). Foto: Gabriela Bilo/Futura Press


Leia tudo sobre: igspluiza erundinaalckminhaddadmanifestaçõespasse livre

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas