Oposição questionará Gilberto Carvalho sobre desocupação da Fazenda Buriti, em Sidrolândia (MS), que resultou na morte de um índio e levou a Força Nacional à região

A Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (12), o requerimento de convocação do ministro chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, para prestar esclarecimentos sobre a política indigenista do governo federal. O requerimento de autoria do deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS) foi aprovado por 25 votos favoráveis e 10 contrários, do PT e PMDB.

Leia mais: Índios protestam no Planalto e ministro reitera disposição de diálogo

Funai:  Presidente deixa o cargo em meio à crise do governo com indígena

Os partidos que votaram contra queriam transformar a convocação em convite. Gilberto Carvalho teria aceitado participar da audiência como convidado no próximo dia 20 de junho (quinta-feira). No caso da convocação, a audiência deve ocorrer dentro de 30 dias.

O deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB-MS) argumentou, em defesa da convocação, que o ministro Gilberto Carvalho precisa explicar a declaração de que a presidente Dilma teria dito ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que teria sido melhor a Polícia Federal (PF) não ter cumprido a desocupação da Fazenda Buriti, em Sidrolândia (MS), onde morreu um índio vítima de tiro. Para evitar novos confrontos, 110 homens e 16 viaturas começaram policiamento ostensivo e preventivo na região esta semana.

Leia mais: Mortes de indígenas no Brasil crescem 269% nos governos Dilma e Lula

Leia também: Índios protestam no Planalto e ministro reitera disposição de diálogo

Outra tribo descontente com o governo realizou protesto no Palácio do Planalto na semana passada. Em Brasília, os índios mundurukus fizeram ato contra diversos projetos do governo para a construção de usinas hidrelétricas na região amazônica. Durante a manifestação, os índios, que também são contra as novas regras de demarcação de terras indígenas, quiseram entregar uma carta à presidente Dilma Rousseff, mas foram impedidos pela polícia. O grupo ameaçava voltar a ocupar o Canteiro Belo Monte, principal local de obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA), caso as obras não sejam paralisadas.

Com Agência Estado


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.