Dilma diz que eleição de Vannuchi para a OEA é motivo de orgulho para o Brasil

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-ministro de Lula foi eleito para compor a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da entidade

A presidenta Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira (7), por meio de nota, que a eleição do ex-ministro Paulo Vannuchi para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA), é motivo de orgulho para o governo brasileiro. Na nota, Dilma falou sobre o papel de Vannuchi no resgate da memória das vítimas da ditadura e na implementação das políticas públicas de direitos humanos no País.

Leia mais: Ex-ministro Vannuchi é eleito para Comissão de Direitos Humanos da OEA

“No Brasil, Vannuchi consolidou o papel institucional da Secretaria de Direitos Humanos e contribuiu para o resgate da verdade histórica sobre as vítimas da ditadura. Sua capacidade de trabalho, seu empenho e dedicação asseguram que dará contribuição relevante à OEA e ao compromisso brasileiro com o fortalecimento do Sistema Interamericano de Direitos Humanos”, diz o texto.

Agência Brasil
Ex-ministro Vannuchi é eleito para Comissão de Direitos Humanos da OEA

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos é formada por sete membros e é uma das entidades do Sistema Interamericano de Proteção e Promoção dos Direitos Humanos nas Américas. O ex-ministro foi eleito para a CIDH em votação concluída ontem (6) pela OEA, junto com os candidatos dos Estados Unidos, James Cavallaro, e do México, José de Jesús Orozco Henríquez. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, a eleição de Vannuchi à CIDH fortalece o compromisso do Brasil com o Sistema Interamericano de Direitos Humanos.

Paulo Vannuchi comandou a SDH entre 2005 e 2011, durante o governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Formado em jornalismo e com mestrado em ciência política, Paulo de Tarso Vannuchi, de 63 anos, sempre atuou na defesa e preservação dos direitos humanos. Paulista de São Joaquim da Barra, ele foi preso político durante o governo militar.

O ex-ministro foi o principal responsável pelo Programa Nacional de Direitos Humanos. Em 2010, Vannuchi defendeu que Lei de Anistia não se aplica aos torturadores. Atualmente é diretor do Instituto Lula e responsável pelo projeto do Memorial da Democracia. É também analista político da TVT e da Rádio Brasil Atual.

Vannuchi participou da elaboração do livro Brasil Nunca Mais, coordenado por dom Paulo Evaristo Arns. Em 1975, foi um dos responsáveis pelo dossiê entregue à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre a tortura praticada pela ditadura militar e os assassinatos cometidos, mencionando 233 nomes de torturadores e detalhando os métodos usados, inclusive citando unidades onde as torturas ocorriam. O documento é considerado um dos mais completos desde 1964.

De 1977 a 1985, Vannuchi trabalhou com a Comissão Pastoral da Terra, a Pastoral Operária e as Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica, promovendo cursos de formação e assessoria política para lideranças, religiosos e bispos.

Vannuchi foi deputado federal na Assembleia Nacional Constituinte, em 1986, e secretário executivo da Coordenação Nacional da campanha de Lula, em 1994.

Com Agência Brasil

Leia tudo sobre: vannuchidireitos humanosditadura militar

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas