O palco das articulações é a Comissão de Infraestrutura do Senado. No PMDB, o nome do ex-ministro dos Transportes Eliseu Padilha já é cotado

O PMDB e o PTB no Senado estão unidos com o objetivo de tentar ganhar para o grupo a diretoria do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). O palco das articulações é a Comissão de Infraestrutura do Senado, presidida pelo senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL).

Dos 46 membros da comissão, entre titulares e suplentes, o PTB tem dois senadores no colegiado e o PMDB conta com 11 senadores.

Leia mais: Em comissão, Collor rasga relatório de prestação de contas do Dnit

Relembre: Ex-diretor diz que Dnit tinha problemas com a Delta

Para o cargo, os peemedebistas já pensam em sugerir à presidente Dilma Rousseff a indicação do ex-ministro dos Transportes Eliseu Padilha. Atualmente, Padilha foi escalado para um cargo na Vice-presidência. Nessa posição, ele tem a função de melhorar a desgastada interlocução do Planalto com o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ).

Padilha foi ministro dos Transportes de 1997 a 2001, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Ele chegou a responder processo por improbidade administrativa e envolvimento no episódio que ficou conhecido como “escândalo dos precatórios”.

As investigações da Justiça Federal apontaram, na época, a existência de um esquema envolvendo lobistas e funcionários públicos, que recebiam propina para favorecer o pagamento de indenizações judiciais milionárias pelo extinto Departamento Nacional de Estradas de Rodagem.

Encontro com Dilma: Para deputados do PMDB, reunião foi 'avanço' e 'bom começo'

Essas indenizações, de acordo com a Justiça, eram desprovidas de base jurídica consistente e, para furar a ordem de pagamento dos precatórios, os beneficiários teriam pago propina de até 25% dos valores devidos.

Articulações

O Dnit atualmente é dirigido pelo general Jorge Ernesto Pinto Fraxe. Apesar de ser um nome aceito pelo PR, partido que ocupava a pasta nos governos petistas, o general é tratado pelo Planalto como uma escolha “técnica” da presidente Dilma Rousseff

Fraxe chegou à diretoria após o escândalo que tirou o PR do Ministério dos Transportes, em 2011, e custou a cabeça também do diretor do órgão, Luiz Antônio Pagot.

A discussão sobre o atraso nas obras da BR 101, no Nordeste, e da BR 364, em Rondônia, tem sido o pretexto para a empreitada dos dois partidos. Foi para falar sobre esse assunto que o diretor do Dnit foi convocado por Collor para dar explicações em audiência pública nesta quarta-feira, pela manhã, na Comissão de Infraestrutura.

Antes, Collor protagonizou uma cena ainda mais desgastante para o diretor. Ao presidir uma sessão do colegiado, o senador rasgou um documento com informações enviadas pelo Dnit sobre as duas obras.

O órgão informava que as obras estavam em andamento desde a última semana de abril. Collor, no entanto, disse que eram informações falsas, devolveu os pedaços de papel ao envelope e mandou entregar de volta o documento ao diretor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.