Absolvidos no julgamento do mensalão em dezembro de 2012, os publicitários entraram com pedido de liberação de bens em janeiro

Duda e sua sócia foram absolvidos no mensalão
AE
Duda e sua sócia foram absolvidos no mensalão

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deu parecer favorável ao desbloqueio de bens do publicitário Duda Mendonça e da sócia dele, Zilmar Fernandes, absolvidos no julgamento do mensalão . O documento foi entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais: STF absolve Duda Mendonça de todos os crimes

Leia também:  Advogado diz que absolvição no STF 'devolve tranquilidade' a Duda

Ambos estavam com valores bloqueados desde 2006 por decisão do relator da ação, ministro Joaquim Barbosa. Gurgel atendeu a pedido do Ministério Público, que alegava dívidas de mais de R$ 30 milhões com o Fisco.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) ainda não divulgou o documento nem a justificativa do procurador. A medida significa uma mudança na orientação do Ministério Público, que havia dado parecer contrário à liberação dos valores em março.

Absolvidos no julgamento do mensalão em dezembro de 2012, os publicitários entraram com pedido de liberação de bens em janeiro deste ano. A solicitação foi negada por Barbosa, e a defesa precisou reforçar a demanda duas vezes, alegando que a recusa significava constrangimento ilegal.

O publicitário foi responsável pela campanha presidencial que elegeu Lula em 2002. Duda e sua sócia eram acusados de lavagem de dinheiro por duas ações distintas: a primeira foram cinco saques realizados pela sócia do publicitário em uma agência do Banco Rural em São Paulo, que somam R$ 1,4 milhão. A segunda são 53 depósitos recebidos em uma conta criada por Duda em offshore nas Bahamas - a Dusseldorf -, cujo valor total é de R$ 10,4 milhões.

Houve unanimidade entre os ministros do STF para absolver Duda e Zilmar na parte da denúncia que os acusa de lavagem pelos saques feitos na agência do Banco Rural em São Paulo.

Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.