Câmara vota hoje duas MPs que perdem validade na próxima segunda

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Deputados correm contra o tempo para analisar antes do feriado dois textos que ainda precisam ser votados no Senado

Reuters

A Câmara dos Deputados deve começar hoje (28) a votação de duas medidas provisórias importantes para o governo, que estão próximas de seu vencimento e precisam chegar ao Senado a tempo de serem apreciadas. Inicialmente marcadas para serem apreciadas ontem, elas ficaram para hoje devido à falta de quórum na sessão de segunda.

As duas MPs perdem a validade no dia 3 de junho, próxima segunda-feira, se não forem analisadas pelos dois plenários do Congresso.

Leia também:

MP dos Portos chega ao Planalto e Dilma tem até dia 5 para sancionar nova lei

Planalto não entrará em choque com PMDB por causa de MP dos Portos

Dilma agradeceu aprovação da MP dos Portos, diz Alves

A Câmara chegou a convocar sessão para votar as MPs 601 e 605 e encaminhá-las aos senadores, obedecendo a decisão tomada pela Mesa do Senado durante tramitação da MP dos Portos ao estabelecer que as medidas só serão analisadas no Senado se chegarem sete dias antes de seu vencimento.

Mas os 234 deputados que registraram presença não foram suficientes para manter a sessão aberta. O regimento determina o quórum mínimo de 257 para validar votações. Uma nova sessão foi convocada para terça-feira.

Ainda no plenário, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou que encerraria a votação de um requerimento às 22h, independente do quórum, para não "expor" os deputados a um novo "vexame", referindo-se à votação da MP dos Portos que se arrastou por madrugadas e forçou os parlamentares, em alguns momentos, a horas de espera por quórum.

A MP dos Portos era tida como essencial pelo governo e teve sua votação concluída no dia 16 a poucas horas do vencimento.

"Se votarmos amanhã (terça-feira), até um horário razoável, acho que o presidente (do Senado) Renan (Calheiros) poderá também encontrar uma saída equilibrada e de bom senso para aquela Casa, mas eu não posso falar por ele", disse Henrique Alves a jornalistas.

Mais cedo, o líder do governo na Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP), avaliou que as medidas provisórias poderiam ser votadas na terça-feira sem comprometer o prazo do Senado.

"A nossa intenção é discutir as duas medidas provisórias hoje para amanhã fazermos a votação", disse Chinaglia a jornalistas após reunião com líderes da base.

"Está no prazo. Isso não é preocupação. Se nós votarmos de hoje para amanhã, nós estaremos cumprindo o prazo que a Mesa do Senado estabeleceu", explicou o líder, acrescentando que o quórum baixo e a obstrução da oposição devem atrapalhar a votação das MPs nesta segunda.

Segundo um outro líder que preferiu não ser identificado, a medida pode chegar ao Senado até às 16h da terça-feira sem desrespeitar o prazo estabelecido de sete dias.

A MP 601 estende benefícios fiscais da desoneração da folha de pagamento a diversos setores, e a MP 605 permite o uso de recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para a redução das tarifas de energia elétrica.


Leia tudo sobre: CongressoMP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas