Eduardo Paes briga com músico após ser ofendido em restaurante no Rio

Por O Dia |

compartilhe

Tamanho do texto

Em nota, prefeito pede desculpas à população por ter reagido e atacado homem que o chamou de ‘bosta’

Rio - O cantor Bernardo Rinaldo Botkay, o Botika, da banda de rock Os Outros, foi agredido pelo prefeito Eduardo Paes na madrugada de ontem no restaurante japonês Yumê, no Jardim Botânico.Paes jantava com a mulher e amigos quando foi abordado pelo músico, que admite ter xingado e tratado o prefeito de ‘forma agressiva’.

Leia a matéria em O Dia

Alexandre Vieira / Agência O Dia
Fachada do restaurante Yumê, de culinária japonesa, no Horto: confusão teria ocorrido do lado de fora

Chamado de ‘bosta’, Paes reagiu. “Ele me agrediu com dois socos, de repente, enquanto os seguranças me imobilizavam. Não tive tempo de reagir”, conta Botika.

A namorada do cantor, Ana Maria Bonjour, teria sido empurrada pelos seguranças do prefeito. “Ela caiu no chão e machucou os joelhos, tentando me defender”, disse Botika.

Apenas Ana Maria foi submetida a exame de corpo de delito. “Infelizmente, os socos não deixaram marcas. Não pude ter provas da agressão”, comentou Botika.

O filósofo e compositor Francisco Bosco, que estava com o prefeito, contou no Facebook que tentou impedir os xingamentos. “Levantei para conversar com Botkay. Segundos depois vi, para minha perplexidade, o prefeito o agredindo, fisicamente. De minha parte, só o que fiz foi separar”, declarou.

Em nota, Paes pediu desculpas à população e disse estar arrependido. “Apesar da agressividade do casal, eu não poderia ter reagido como o fiz. Peço desculpas à população da minha cidade pela maneira como agi”.

Acostumado com críticas

Ele disse ter sido “gratuita e insistentemente ofendido por um casal desconhecido, com expressões como ‘bosta e vagabundo’, entre outras mais fortes”. Segundo Paes, a discussão transformou-se em “princípio de desentendimento físico”, o que obrigou a intervenção da segurança para afastar os desconhecidos.

Ele conta que, em 20 anos de vida pública, acostumou-se a ouvir críticas e, até, receber agressões. “Sei que isso faz parte da minha posição. Críticas, em geral, são muito bem-vindas, pois nos ajudam a reparar equívocos e a crescer. O que não é aceitável são agressões pessoais em momentos privados diante da minha esposa”.

A briga dividiu opiniões na rede social. “Procure outra maneira de protestar, não agredindo, porque você só vai perder”, postou Everson Paladini. Já Daniel Zarvos disse “Botkay você não apanhou. Você bateu e desmascarou esse cara, um covarde”.

Imagens do Yumê foram pedidas

Orlando Zaccone, titular da 15ª DP (Gávea), onde o caso foi registrado, pediu imagens das câmeras do Yumê, mas não sabe se o material vai ajudar na investigação. “Acho que as câmeras filmam só o interior do local, e o fato aconteceu na parte externa”.

O casal supostamente agredido será chamado a depor novamente. Segundo o delegado, no momento do registro, eles não citaram o prefeito e alegaram que os socos vieram dos seguranças de Paes. Zaccone pediu ainda a lista dos funcionários que estavam no restaurante no momento da confusão.

Leia tudo sobre: eduardo paesbrigario de janeiro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas