Líder do PMDB baixa o tom e agora fala em acordo para votar da MP dos Portos

Por Nivaldo Souza - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Ao iG, Eduardo Cunha sinaliza que busca "consenso" com o Planalto para aprovar a medida provisória nesta terça-feira (14)

Principal opositor a Medida Provisória 595, a MP dos Portos, o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), já admite que não deve obstruir novamente a aprovação do novo marco regulatório do setor portuário elaborado pelo governo federal. Ele conduziu a base com mãos de ferro ontem, retirando quórum da sessão convocada pelo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para aprovar a MP. A articulação levou Cunha ao gabinete do vice-presidente Michel Temer, escalado para negociar um acordo. “O importante é que o governo começou a conversar. Alguma hora vai ter consenso e vamos votar”, disse Cunha ao iG, nesta manhã.

Negociação: Governo cede na Câmara e agora articula MP dos Portos no Senado

Acordo: Governo cede para aprovar MP dos Portos

Bedéis: Eduardo Cunha coloca vigias na Câmara para evitar votação da MP dos Portos

A posição concitadora ocorre após reunião com Temer, na qual governo e Cunha tentaram um acordo para evitar que a MP dos Portos perdesse validade, diante da aproximação do prazo de votação, na próxima quinta-feira (16).

 Parlamentares assistem jogo do Corinthians na Libertadores. Foto: Alan Sampaio / iG Brasília Parlamentares disputam pouca comida armazenada em tachos que foi servida em pratos descartáveis no cafezinho do plenário da Câmara, em Brasília. . Foto: Alan Sampaio / iG Brasília Parlamentares disputam pouca comida armazenada em tachos que foi servida em pratos descartáveis no cafezinho do plenário da Câmara, em Brasília. . Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIA Parlamentares disputam pouca comida armazenada em tachos que foi servida em pratos descartáveis no cafezinho do plenário da Câmara, em Brasília. . Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIA Parlamentares disputam pouca comida armazenada em tachos que foi servida em pratos descartáveis no cafezinho do plenário da Câmara, em Brasília. . Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIALíder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), conversa com colega no plenário. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaDeputado Sibá Machado (PT-AC) apresentou uma emenda à MP dos Portos. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaOs deputados Anthony Garotinho (PT-RJ) e Ronaldo Caiado (DEM-GO) trocam insultos durante sessão para votar MP dos Portos. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaOs deputados Anthony Garotinho (PT-RJ) e Ronaldo Caiado (DEM-GO) trocam insultos durante sessão para votar MP dos Portos. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaDurante votação da MP dos Portos, nesta terça, o deputado Toninho Pinheiro (PP-MG) invadiu a Mesa Diretora com uma faixa e causou tumulto. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaO presidente da Câmara, Henrique Alves, analisa com deputados a MP dos Portos. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAO líder do PR Anthony Garotinho conversa com parlamentares durante discussão da MP dos Portos. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAGarotinho conversa com parlamentares durante discussão da MP dos Portos. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAVotação da MP dos Portos foi adiada para esta terça-feira. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAGarotinho e outros com parlamentares durante a sessão desta segunda-feira. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIALíder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT) faz visita rápida ao plenário. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAVista geral do plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, na noite desta segunda-feira. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIALael Varella (DEM-MG), o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e Mozart Viana, secretário geral da mesa. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIA

O deputado deve apresentar uma nova emenda aglutinava, compilando propostas de outros parlamentares para complementar a medida provisória. "Tudo será complicado", disse.

Cunha se reúne neste momento com os 82 deputados que compõem a bancada peemedebista. O encontro ocorre a portas fechadas - até assessores estão proibidos de entrar na sala onde acontece a reunião.

Apesar de sinalizar ao Planalto com uma postura mais conciliadora, Cunha mantém o tom de crítica em relação ao governo. "Isso aqui (Câmara) não é cartório para apenas bater carimbo em projeto pronto", afirma.

Leia tudo sobre: MP dos PortosCâmaraCongresso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas