Oposição pediu investigação preliminar na corregedoria da Câmara para averiguar 'vícios' no texto, após denúncia de que emenda apresentada era 'Tio Patinhas'

Agência Estado

A oposição entrou na noite de ontem (13) com um requerimento de investigação preliminar na corregedoria da Câmara no qual pede a apuração das denúncias feitas pelo líder do PR, deputado Anthony Garotinho (RJ), que na última quarta-feira (8) colocou sob suspeita as negociações para tentar votar, na Câmara, a MP 595, a chamada MP dos Portos. Assinado pelos deputados Carlos Sampaio (SP), Ronaldo Caiado (GO) e Rubens Bueno (PR), líderes do PSDB, DEM e PPS, respectivamente, a oposição quer que a Corregedoria apure "se há indícios suficientes para uma eventual sindicância ou inquérito".

Tensão: Líder do PMDB baixa o tom e agora fala em acordo para votar da MP dos Portos

Negociação: Governo cede na Câmara e agora articula MP dos Portos no Senado

Bedéis: Eduardo Cunha coloca vigias na Câmara para evitar votação da MP dos Portos

Quando da primeira tentativa de colocar a MP em votação na Câmara, na semana passada, o deputado Anthony Garotinho foi à tribuna da Casa e afirmou que a emenda aglutinativa proposta pelo líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), se aprovada, transformaria a medida provisória na "MP dos Porcos". "Eu, particularmente, votarei no texto. Nessa emenda, eu não voto, porque essa emenda é Tio Patinhas", afirmou o deputado.

As declarações de Garotinho, que não forneceu detalhes a suas acusações, resultaram em bate-boca entre os parlamentares e contribuíram para que o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), suspendesse a sessão.

"Os eventos que acabamos de descrever (as acusações de Garotinho) deixaram a MP dos Portos sob suspeita. Igualmente, podem configurar eventual quebra da ordem e da disciplina na Câmara dos Deputados, e até quebra do decoro", escrevem os parlamentares da oposição no requerimento. Carlos Sampaio afirmou ontem que seu partido não tem condições de votar a MP depois das denúncias do deputado Garotinho.

"A MP é importantíssima para o País, mas vem com vícios que não sabemos quais são", declarou Sampaio em nota. A MP tem de ser apreciada na Câmara e no Senado até a quinta-feira (16) para não perder a validade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.