PF prende sobrinho e o secretário do governador do Acre

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Investigação aponta para esquema de fraude e desvio de verba em obras de pavimentação; entre os presos está um sobrinho do governador Tião Viana (PT), que trabalhava no governo

Agência Estado

A Polícia Federal (PF) cumpre na manhã desta sexta-feira, 10, mandados de prisão e 34 de busca e apreensão em órgãos públicos nas cidades de Rio Branco e Tarauacá, no Acre. Entre os presos está um sobrinho do governador Tião Viana (PT) que trabalhava no governo. Os demais alvos da operação também são funcionários públicos, entre eles o secretário de Obras do Acre.

Leia também:

Procuradoria faz jogo 'maniqueísta', diz PF

Mais de 130 ações questionam poder de investigação do Ministério Público

Contrários à ‘lei da mordaça’ dizem que PEC é retrocesso e estimula impunidade

As investigações da Operação G-7, iniciadas em 2011, apontam para um esquema de fraude em licitação e desvio de verba pública em obras de pavimentação. Nos seis contratos analisados pela PF, o prejuízo aos cofres públicos ultrapassou R$ 4 milhões. O valor total dos contratos é de R$ 40 milhões.

Além do secretário de Obras, a PF cumpre mandados de prisão do ex-secretário de Habitação e ex-superintendente da Caixa Econômica Federal, do diretor do Departamento de Pavimentação e Saneamento e Abastecimento (Depasa), do secretário municipal de Desenvolvimento e Gestão Urbana de Rio Branco, do diretor executivo da Secretaria de Habitação.

Outros servidores e empreiteiros também serão investigados. Os nomes e o número exato de envolvidos não foram informados. A PF informou que todos devem responder pelos crimes de formação de cartel, falsidade ideológica, corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, fraude à licitação e desvio de recursos públicos.

O nome da operação é uma referência ao grupo de ministros da Fazenda das maiores economias do mundo. No Acre, sete empresas se revezavam nas licitações e apenas simulavam a concorrência. Segundo a PF, os concorrentes que não fizessem parte do grupo eram eliminados ainda na fase inicial da licitação.

Representantes do governo do Estado não foram localizados para comentar o assunto até a publicação dessa reportagem.

Leia tudo sobre: PFAcre

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas