'Nunca ocultei cadáver', diz coronel Ustra a membros da Comissão da Verdade

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O coronel, que comandou o DOI-Codi/SP entre 1970 e 1974, negou os crimes e disse que agiu 'dentro da lei' e com a 'consciência tranquila'

Em depoimento à Comissão Nacional da Verdade, o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra negou a acusação do Ministério Público Federal de ocultação de cadáver do estudante de medicina Hirohaki Torigoe, de 27 anos, morto no dia 05 de janeiro de 1972. “Agi com a consciência tranquila. Nunca ocultei cadáver. Sempre agi dentro da lei”, disse Ustra, que comandou o Destacamento de Operações de Informações-Centro de Operações de Defesa Interna do 2º Exército em São Paulo (DOI-Codi/SP), entre 1970 e 1974. O nome dele é um dos mais citados em denúncias de violações de direitos humanos no período.

Comandante do Doi-Codi: Em depoimento, Ustra chama vereador de terrorista

Denúncia: Ministério Público acusa Ustra de ocultar cadáver de estudante na ditadura

Leia mais: 'Padrinho' de Ustra saberia destino de desaparecidos na ditadura

Indenização: Coronel Ustra é condenado a pagar R$ 100 mil por tortura durante a ditadura

Assista ao depoimento de Ustra:


O coronel compareceu hoje à Comissão Nacional da Verdade e, apesar de decisão judicial que lhe garantia o direito de não se pronunciar durante o depoimento, Ustra falou aos membros da comissão e negou também que tenha cometido assassinato, tortura e sequestro. O ex-comandante afirmou ainda que nenhuma tortura foi cometida dentro das instalações do órgão de repressão do governo militar.

Mais tempo: Dilma dará mais seis meses de prazo para a Comissão Nacional da Verdade

Wilson Dias/ABr
O coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra

Antes das perguntas, Ustra fez um depoimento inicial em que defendeu sua atuação no período militar. "Estávamos cientes de que estávamos lutando para preservar a democracia. Lutávamos contra o comunismo. Se não fosse a nossa luta, hoje eu não estaria aqui porque eu já teria ido para o paredão", afirmou. "Hoje não existiria democracia nesse País", completou.

"Quem tem que estar aqui é o Exército, não eu", disse em tom exaltado. "Eu não vou me entregar. Eu lutei, lutei e lutei. Tudo que eu tenho a declarar está no meu livro", afirmou ao final da sua fala. Perguntado sobre um caso de estupro nas dependências do DOI-Codi, Ustra reagiu com irritação. "Nunca, nunca, nunca ninguém foi estuprado dentro daquele órgão. Digo isso em nome de Deus. É verdade o que estou falando."

Ustra também negou a ocorrência de mortes no DOI-Codi durante o seu comando. "Sempre admitimos que houve mortos [durante o regime militar]. No meu comando ninguém foi morto dentro do DOI. Todos foram mortos em combate. Dentro do DOI, nenhum."

Além do coronel Ustra, também fala à Comissão o ex-sargento Marival Chaves, que atuou na mesma instituição e já prestou dois depoimentos espontâneos à CNV. Marival Chaves e Carlos Ustra estão sendo ouvidos dentro da linha de pesquisa dos grupos de trabalho sobre as Graves Violações de Direitos Humanos cometidas por agentes do Estado ou pessoas a seu serviço entre 1946 e 1988.

Com Agência Brasil e Agência Estado

Leia tudo sobre: Comissão da verdadeDitadura militar

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas