Deputado do PSOL pede na Assembleia de São Paulo a cassação do mandato de Afif

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Gianazzi argumenta que Afif comete crime de responsabilidade contra a administração pública ao acumular o cargo de ministro com o de vice de Alckmin

Agência Estado

Um dia depois de protocolar um requerimento no Ministério Público de São Paulo para que o órgão analisasse o caso do vice-governador Guilherme Afif Domingos, o deputado estadual Carlos Gianazzi (PSOL) encaminhou, nesta quinta-feira, um ofício à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa pedindo a cassação do mandato de Afif.

Entrevista: Afif descarta renúncia ao cargo de vice: ‘Fui eleito, tive voto’

Afif sobre ministério: 'O primeiro passo é dar um fim na burocracia'

Roberto Stuckert Filho/PR
Afif Domingos toma posse como novo ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa

O parlamentar argumenta no requerimento que Afif comete um crime de responsabilidade contra a administração pública "ao deixar em segundo plano a função de vice-governador" para assumir a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, pasta com status de ministério do governo federal. A solenidade de posse aconteceu nesta quinta, em Brasília.

Para Gianazzi, ao se subordinar ao governo petista da presidente Dilma Rousseff, Afif atenta contra a autonomia do Estado. No documento, ele também registra que essa atitude é contraditória, porque Afif foi eleito na chapa do tucano Geraldo Alckmin, que é de um partido "com ideologia e políticas públicas opostas" às do governo federal.

Leia mais:

Dilma anuncia Afif como ministro da Micro e Pequena Empresa

Ministro da Justiça não vê problema jurídico em Afif acumular cargos

Jurista: ‘Acúmulo de funções por Afif extrapola os limites da Constituição’

Citando o artigo do professor de Direito da FGV Carlos Ari Sundfeld, o deputado também registra que a Constituição estadual determina a perda de mandato caso o governador assuma outro cargo e que essa regra só não vale para o vice para permitir que ele assuma uma secretaria no âmbito estadual.

A iniciativa de Gianazzi, no entanto, não deve ter apoio dos demais parlamentares. A ordem do Palácio do Bandeirantes, que tem o apoio da maioria dos deputados da Assembleia Legislativa, é não questionar a decisão de Afif de acumular os dois cargos.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas