Contra Feliciano, Laerte e Jean Wyllys lançam comissão paralela em São Paulo

Por Natália Peixoto , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo realizou uma plenária de Direitos Humanos no centro da capital paulista para discutir ‘temas proibidos’ pelo deputado e defendeu liberdade de crença e de orientação sexual

O cartunista Laerte Coutinho e o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) realizaram na noite desta quinta-feira (25), na praça Roosevelt, no centro de São Paulo, a primeira reunião da "Comissão Extraordinária de Direitos Humanos e Minorias" em protesto contra o deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que preside o órgão colegiado de mesmo nome na Câmara Federal. Desde que assumiu, Feliciano vem sendo alvo de manifestações sob acusação de homofobia e racismo.

Câmara: Feliciano abre reunião a 'pessoas do bem' e deixa entrar só evangélicos

Leia mais: PSC capitaliza exposição de Feliciano e tenta ganhar musculatura para 2014

A "comissão extraordinária" foi organizada pela ONG Conectas e pelos coletivos Existe Amor em SP e "Pedra no Sapato". Também fizeram parte da mesa que discutiu “temas proibidos” pelo pastor representantes de grupos negros e indígenas.

Gabriela Bilo/Futura Press
Laerte e Jean Wyllys participam de 'Comissão Extraoridnária de Direitos Humanos', no centro de São Paulo

Para Laerte, a comissão paralela representa um "espaço confiável" para se discutir os direitos humanos. Em sua fala, ele defendeu que "tem coisas que não precisam ser ditas e tem coisas que precisam ser respeitadas". Ele afirmou ainda que essa não é uma briga de religião. “Precisamos deixar bem claro que essa não é uma briga contra a religião, precisamos ter o direito de expressar nossa religiosidade como a nossa orientação sexual”, afirmou.

O deputado Jean Wyllys elogiou a iniciativa de Laerte e disse que pretende repetir a reunião em Brasília e no Rio de Janeiro. Ele disse que os deputados contra a permanência de Feliciano à frente da comissão mudaram de estratégia. Em vez de protestar, eles formaram a Frente Parlamentar de Direitos Humanos. "Na medida em que éramos reativos, servíamos de trampolim para um discurso conservador e reacionário", afirmou.

Procurador-geral: Gurgel pede que STF abra processo contra Feliciano

Alves: Presidente da Câmara cobra ‘comportamento decente’ de Feliciano

Feliciano ao iG: 'Nunca perdi o controle da comissão'

O deputado disse que a frente, com 168 deputados inscritos, contradiz Feliciano, que afirmou que haveria apenas cinco deputados contrários à sua permanência. Apesar da conquista do espaço político, Jean afirma que é preciso ir além. "Nós precisamos garantir um espaço legislativo".

Para Jean, há um "movimento articulado" de forças conservadores e reacionárias tentando tomar o Legislativo de países da América Latina e da África. "Atentem para a Câmara Municipal e para a Assembleia que estão sendo tomadas por forças conservadoras", alertou.

Na reunião também tiveram presentes os vereadores do PT Paulo Reis e Nabil Bonduki.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas