Supremo publica acórdão completo do julgamento do mensalão

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Prazo de dez dias para defesa recorrer do julgamento começa a contar a partir de amanhã

Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) publicou hoje (22) o acórdão completo do julgamento do mensalão no Diário da Justiça Eletrônico. Com mais de 8 mil páginas, o texto reúne as decisões, os votos e os debates dos ministros durante o julgamento. Na sexta-feira (19), a Corte divulgou apenas um resumo com as principais decisões que ocupou 16 páginas do Diário da Justiça Eletrônico.

Voto parcial: STF divulga acórdão do julgamento do mensalão

Segundo a assessoria do Supremo, o acórdão completo não sairá no Diário da Justiça, apenas no andamento do processo no site do Supremo na internet (na página da AP 470, acesso pela aba Jurisprudência, que contém o subitem Acórdãos. O texto completo está no link Inteiro Teor). O acórdão servirá de referência para elaboração dos recursos. O prazo final para o recurso mais simples, os embargos declaratórios, termina no dia 2 de maio.

Leia mais: STF dobra prazo para réus entrarem com recurso no processo do mensalão

Novo recurso: Defesa irá ao STF para provar que não houve dinheiro público no mensalão

Na última sexta-feira, o advogado Castellar Guimarães que defende o publicitário Cristiano Paz acionou o STF para que a Corte também dê prazo em dobro para o recurso que pode mudar decisões do julgamento, os embargos infringentes. Caso a solicitação seja aprovada, o prazo para esse recurso terminará em 22 de maio.

Os embargos de declaração são usados para esclarecer pontos da decisão que não foram bem delimitados pelos ministros no julgamento. Alguns advogados usam esse recurso para tentar alterar o teor das decisões, mas isso raramente ocorre no STF. Os ministros entendem que os embargos declaratórios servem apenas para pequenos ajustes.

Já os embargos infringentes permitem nova análise da decisão. Segundo o Regimento Interno do STF, eles só podem ser usados quando existem ao menos quatro votos pela absolvição. Mesmo previsto na norma interna do Supremo, o uso do recurso não é plenamente aceito entre os ministros, pois alguns acreditam que a ferramenta foi suprimida pela legislação comum.

Leia tudo sobre: STFMensalãojulgamento do mensalão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas