Decisão é um passo favorável à criação da nova sigla e permite arrecadação de verba e abertura de sedes regionais para viabilizar a coleta de assinaturas

Agência Estado

Após a decisão da Câmara dos Deputados que, nesta quarta-feira (17), aprovou projeto que impede os novos partidos de terem acesso ao fundo partidário e ao tempo de TV, a sigla que a ex-senadora Marina Silva pretende criar para disputar a Presidência da República em 2014, a Rede Sustentabilidade, conseguiu nesta quinta-feira na Justiça o direito de possuir um CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas). Com isso, militantes da ex-ministra podem iniciar alguns processos importantes - como arrecadação de verba e espaços para sedes regionais - para acelerar a coleta de assinaturas que efetivará a criação do partido.

Câmara: Aprovado projeto que restringe a criação de novos partidos

Protesto: Rede e PPS reagem a restrição à criação de partidos

Poder Online: Marina chama de “lei de encomenda” projeto contra novos partidos

A decisão, em caráter liminar, foi concedida pela juíza Cristiane Pederzolli Rentzsch. "Nada obsta que o partido político obtenha o CNPJ e atue na sociedade exercendo seus direitos civis de forma regular enquanto não é deferido o seu registro no TSE.(...) Ademais, a imposição normativa da Receita Federal constitui verdadeiro óbice para que o partido político em voga obtenha meios para angariar recursos e, assim, possa promover a obtenção de assinatura necessária para o apoiamento eleitoral, requisito necessário para o registro do seu estatuto", afirma a juíza.

Depois de se constituir nos termos da legislação civil em fevereiro, a Rede teve o pedido de CNPJ negado pela Receita, por conta de uma Instrução Normativa interna que impede a concessão de CNPJ a partidos políticos que ainda não tenham registro no TSE. "É a primeira grande contribuição da Rede para o processo democrático. A partir de agora os partidos terão o direito e o dever de agir com transparência", diz André Lima, responsável pela área jurídica da Rede.

Repercussão: Campos diz que está 'errado' restringir a criação de partidos

Leia mais: Kassab nega que Marina seja alvo do projeto de restrição a novos partidos

Leia também:  PPS aprova fusão com PMN e forma o Mobilização Democrática

Segundo Lima, até agora as atividades do partido estavam sendo feitas informalmente com a contribuição de militantes que cediam o seu CPF para poder efetuar qualquer tipo de ação. "A gente acaba tendo que fazer tudo no paralelo. O aluguel da sede está em meu nome, por exemplo. Com o CNPJ é possível ter uma contabilidade organizada, transparente e decente", diz.

A decisão judicial diz ainda que a norma da Receita acaba "se tornando um obstáculo intransponível para o próprio nascimento de pequenos partidos políticos, que acabariam tendo seu registro negado pela ausência de meio de captação de recursos, e por conseguinte, se tornando um entrave maior ao próprio exercício da democracia no País."

Sem o CNPJ, reforça Lima, a meta de atingir 560 mil assinaturas para a criação do partido é realmente dificultada. "A norma da Receita restringe o direito de novos partidos", afirma. De acordo com ele, não há um prazo definido para a obtenção do CNPJ, porém, é algo que não deve demorar para acontecer. De acordo com Lima, o último balanço realizado pela Rede, há mais ou menos 15 dias, contabilizava cerca de 150 mil assinaturas. Um segundo balanço deve ser divulgado no próximo dia 28.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.