Revista destacou o fato de o ministro ser o primeiro negro a comandar o STF e por ter sido o responsável pelo julgamento do mensalão

Agência Estado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, está na lista das 100 personalidades mais influentes do mundo da revista americana Time. A publicação destacou o fato de Barbosa ser o primeiro negro a comandar a Corte e lembrou ter sido ele o juiz que "presidiu o maior julgamento político contra a corrupção no País", em referência ao julgamento do mensalão .

Lista da Time:  Alex Atala está entre as 100 pessoas mais influentes do mundo

Perfil:  Aclamado pela opinião pública, Barbosa coleciona polêmicas entre colega s

Saiba mais: Barbosa chega à presidência do STF em meio à fama e tensão

Joaquim Barbosa, presidente do STF
Fellipe Sampaio/SCO/STF
Joaquim Barbosa, presidente do STF

O chef Alex Atala também está na lista da publicação , que no ano passado destacou a presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster, o empresário Eike Batista, fundador do grupo EBX, e a presidente Dilma Rousseff - a petista já havia saído na edição de 2011. Em 2004, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou no ranking.

Para a autora do texto sobre o ministro, Sarah Cleveland, professora de direito da Universidade de Columbia, Barbosa é símbolo de uma promessa de um País "novo, compromissado com a diversidade cultural e a igualdade", afirmou, lembrando que o Brasil foi o que mais "importou" escravos em comparação a outros países das Américas.

Mensalão:  Defesa irá ao STF para provar que não houve dinheiro público no mensalão

No perfil, a revista narra o passado pobre de Barbosa e diz que o ministro usou a educação para sair da pobreza. "Trabalhou como faxineiro e tipógrafo no Senado para se sustentar na faculdade de direito", diz a publicação. O texto brinca que a máscara mais popular no carnaval deste ano foi a de Barbosa e não a de um jogador de futebol ou artista famoso.

A autora lembra ainda que Barbosa foi indicado para integrar o STF pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, mas afirma que a relação não comprometeu a atuação do ministro no julgamento do mensalão, já que condenou políticos próximos de Lula.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.