Campos diz que está 'errado' restringir a criação de partidos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Governador de Pernambuco e possível candidato à Presidência em 2014 é contrário à mudança e diz que se projeto passar será 'um casuísmo, uma agressão'

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, disse nesta terça-feira que o PSB vai se posicionar claramente contra a inibição a novos partidos. Um projeto de lei do PMDB, com o apoio do PT e do governo, visa a proibir o acesso de novas legendas ao fundo partidário e ao tempo de TV.  O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse à Reuters  que "vota hoje a urgência e vota o mérito amanhã".

Poder Online: Marina critica 'lei de encomenda' sobre novos partidos

Leia mais: Kassab nega que Marina seja alvo do projeto de restrição a novos partidos

Freire: ‘PPS não tem perspectiva de candidatura de Serra’

Divulgação/Governo de Pernambuco
Eduardo Campos, governador de Pernambuco e presidente do PSB

Segundo Campos, tirar o direito a tempo de TV e ao fundo partidário dos novos partidos "está errado". "Que o façam para a próxima legislatura. Mas agora seria um casuísmo, uma agressão", afirmou o governador e provável candidato do PSB à Presidência. 

Campos citou o Rede da ex-senadora Marina Silva. "Há partidos surgindo e tentando coletar o número de assinaturas, já com parlamentares que desejam efetivamente tomar essa direção em torno da liderança, por exemplo, da senadora Marina Silva, que tem expressão no pensamento brasileiro e no pensamento global. Não vejo por que não deixar que se organize, para que se faça o debate sobre o futuro do País".

Leia também:

Para 2014, Eduardo Campos mira na base de Aécio Neves

Sem assumir candidatura, Eduardo Campos já costura apoios para 2014

A regra atual, usada com sucesso para a criação do PSD pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab em 2011, permite que um novo partido "herde" tempo de TV e recursos do fundo partidário equivalente ao número de parlamentares que conseguir atrair. O projeto não deixa claro, porém, o que acontece no caso de fusão de partidos.

Prejuízos

A mudança atinge não só Marina, mas também o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, que tenta criar o Solidariedade e gera dúvidas no PPS, que articula uma fusão com o PMN.

Em todos esses movimentos, caso a brecha jurídica que atendeu o PSD seja fechada haverá mais dificuldades em atrair parlamentares de outros partidos, que não veriam vantagens eleitorais em trocar de partido.

Com Reuters e Agência Estado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas