Na quinta-feira, Tribunal de Jersey rejeitou os recursos do ex-prefeito, que terá de devolver R$ 56 milhões à Prefeitura de São Paulo até junho

Agência Estado

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou nesta sexta-feira que os cerca de R$ 56 milhões a serem devolvidos pelas empresas ligadas ao deputado Paulo Maluf (PP) à Prefeitura de São Paulo são suficientes para a construção de 20 creches. Na noite dessa quinta-feira, 11, o Tribunal de Jersey rejeitou recursos da defesa e o repasse do valor definido pela sentença deverá ser feito até junho.

Leia mais: Empresas de Maluf devem devolver R$ 56 milhões a SP, decide Justiça de Jersey

Leia também: Justiça de São Paulo bloqueia R$ 520 millhões de empresa de Maluf

Poder Online: Maluf fica sem resposta ao ser perguntado sobre bloqueio da Eucatex

O deputado federal Paulo Maluf (PP) terá de devolver R$ 56 milhões à Prefeitura de São Paulo
Futura Press
O deputado federal Paulo Maluf (PP) terá de devolver R$ 56 milhões à Prefeitura de São Paulo

Em entrevista à Rádio Estadão, Haddad comentou a decisão. "Não tem a ver com valor, tem a ver com Justiça. Hoje você tem que tomar procedimentos todo dia para coibir qualquer tipo de abuso. Não estou aqui para julgar ninguém. Estou aqui para usar o recurso público em benefício do público", afirmou.

O prefeito disse que o recurso é baixo se comparado ao orçamento municipal, mas ao usar o exemplo da construção de creches afirmou que o dinheiro pode beneficiar até 4 mil pessoas. "Não é pouca coisa, não."

O Tribunal de Jersey entendeu que duas empresas no exterior ligadas a Maluf foram usadas para desviar dinheiro de obras públicas da administração municipal. O deputado foi prefeito de São Paulo entre 1993 e 1996. Para a Corte, Maluf sabia que a origem do dinheiro depositado nas contas das empresas era irregular.

Leia mais notícias sobre Maluf:

Maluf terá de devolver US$ 28 milhões à Prefeitura de São Paulo

Haddad congela 98% da verba de secretaria do PP de Maluf

STF investiga caixa 2 na reeleição de Maluf em 2010

O desvio, ocorrido em 1998, teria sido de US$ 10,5 milhões. Em razão das correções e multas, o valor a ser ressarcido à Prefeitura foi estipulado em US$ 28,3 milhões (cerca de R$ 56 milhões). Por meio de sua assessoria, o deputado informou apenas que seu nome não consta no processo e que as empresas vão apelar à Corte Suprema de Londres.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.