Justiça manda soltar ex-prefeito de Porto Velho, acusado de corrupção

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Roberto Sobrinho e o ex-vereador Mário Teixeira foram presos em operação do MP acusados de comandar esquema de desvio de recursos

Agência Brasil

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) acatou o pedido de habeas corpus e mandou soltar o ex-prefeito de Porto Velho (RO) Roberto Sobrinho e o ex-vereador e ex-presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano (Emdur) Mário Sérgio Teixeira, presos em operação do Ministério Público como mentores do esquema de desvio de recursos públicos investigado pela Operação Luminus.

Prisão: Ex-prefeito de Porto Velho é alvo de operação nacional contra corrupção

Entenda: Ministério Público realiza operações de combate à corrupção em 12 Estados

Sobrinho e Teixeira foram presos na terça-feira (9), junto com mais quatro suspeitos de fraudar licitações públicas para favorecer empresas e empresários que, entre 2006 e 2012, recebiam por serviços não prestados.

Após as investigações, o MP pediu a prisão temporária de 20 pessoas. A Justiça só autorizou que seis fossem detidas. Segundo o secretário executivo do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas, o promotor de Justiça Pedro Abi-Eçab, o Ministério Público vai recorrer ao próprio tribunal para reverter a libertação de Sobrinho e de Teixeira.

“A soltura dos dois representa impunidade”, disse o promotor à Agência Brasil, revelando que o MP-RO também já pediu ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que sejam aplicadas medidas disciplinares contra o desembargador do TJRO, Walter Waltenberg da Silva Júnior. Relator do pedido de soltura, Waltenberg é réu, junto com o ex-prefeito, em um processo que apura a suposta doação irregular, pela prefeitura, de um terreno cedido ao desembargador.

BBC Brasil: Brasil avança no combate à corrupção, mas ainda perde bilhões

Leia também: Ministério Público vai investigar corrupção na concessão de alvarás em SP

“Já representamos o CNJ, pedindo as providências disciplinares em relação ao desembargador, como a possível suspensão”, acrescentou Abi-Eçab, informando que uma ação civil pública de improbidade administrativa tramita na 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Velho. Na avaliação do promotor, a ação é um impedimento para que Waltenberg participasse do julgamento do pedido de habeas corpus do ex-prefeito.

Como relator do pedido, o desembargador convocou a sessão extraordinária na véspera de sair de férias. Segundo a assessoria do tribunal, Waltenberg alegou que preferia consultar os demais desembargadores a conceder o habeas corpus em caráter liminar. Durante a sessão, Waltenberg declarou não haver qualquer impedimento para votar e se manifestar a favor da libertação de Sobrinho e de Teixeira. A votação terminou empatada e foi decidida com o voto do presidente da Segunda Câmara Especial, desembargador Renato Martins Mimessi, que acompanhou Waltenberg.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas