Decisão argumenta que Lucio Bolonha Funaro e José Carlos Batista colaboraram com as investigações e, por isso, se livraram da condenação

Agência Estado

Em ação penal desdobrada do mensalão, o juiz federal Márcio Catapani reconheceu a existência de lavagem de dinheiro contra a administração praticado pelos réus Lucio Bolonha Funaro e José Carlos Batista, mas deixou de aplicar as penas previstas em lei por eles terem colaborado com as investigações.

Leia também: Último ministro do STF entrega voto por escrito do julgamento do mensalão

Recursos:  Defesa irá ao STF para provar que não houve dinheiro público

Especial do iG: Veja as penas dos 25 condenados no mensalão

Leia todas as notícias sobre a cobertura do julgamento no STF

Entre 2002 e 2003, em associação com o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP), eles "criaram estrutura criminosa voltada à ocultação de recursos" - permitindo o repasse de valores ao então líder da bancada do PL, advindos de pagamentos por ordem do PT, em troca de apoio político. "A sentença demonstra que a delação premiada, apesar de muito pouco utilizada no Brasil, surte os efeitos almejados", declarou a criminalista Beatriz Catta Preta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.