Feliciano chega mais cedo e antecipa depoimento no STF sobre estelionato

Por iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Deputado chegou duas horas e meia antes do previsto, driblou a imprensa e foi ouvido pelo ministro Ricardo Lewandowski sobre subtração de R$ 13,3 mil revelada pelo iG

O deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) prestou depoimento no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (5) sobre acusação de estelionato revelada pelo iG. Ele chegou por volta das 12h, duas horas e meia antes do previsto e, assim, conseguiu evitar a imprensa e eventuais manifestantes. O parlamentar e também cantor e líder da igreja evangélica Assembleia de Deus Catedral do Avivamento teria subtraído R$ 13,3 mil de uma produtora de shows evangélicos do interior do Rio Grande do Sul. 

Exclusivo: Deputado Marco Feliciano nega golpe em show gospel e diz que estava doente

STF: Ministro decide que depoimento de Feliciano será fechado 

Denúncia: 'Quase fui linchada', diz mulher que acusa deputado Feliciano

O relator do processo, ministro Ricardo Lewandowski decidiu que o depoimento do deputado será tomado a portas fechadas para "preservar a tranquilidade e intimidade" de Feliciano.

Alan Sampaio / iG Brasília
Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos, prestará depoimento em ação de estelionato

Conforme o iG revelou no início de março, o Ministério Público do Rio Grande do Sul denunciou o deputado após constatar que o Feliciano foi contratado para participar de um show gospel na cidade de São Gabriel, distante 320 quilômetros de Porto Alegre e não compareceu.

A empresária Liane Pires Marques alega nos autos ter tido um prejuízo de aproximadamente R$ 100 mil com a ausência do cantor, principal atração de um festival gospel.

Ao iG, Feliciano afirmou que faltou ao compromisso por estar doente e que ressarciu Liane dos R$ 13,3 mil recebidos. Ele disse que se disponibilizou a fazer outro show e que ficou assustado com o pedido de indenização feito por Liane. “Ela me pediu R$ 1 milhão de indenização. Eu não tenho como restituir isso”, disse Feliciano.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas