Presidente fez discurso de combate a 'todos os tipos de discriminação' num País que lutou pela 'superação da pobreza'

A presidente Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira, em Salvador, que o Brasil vive "uma democracia que respeita a diversidade, que é contra a discriminação". Dilma pautou seu discurso de inauguração da Arena Fonte Nova, na luta contra "todos os tipos de discriminação", mas não fez referências diretas ao deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que vem sendo alvo de manifestações desde que assumiu o comando da Comissão de Direitos Humanos da Câmara por declarações homofóbicas e racistas. 

Presidente do STF: Protestos contra Feliciano são parte da democracia

Leia mais: Feliciano chega mais cedo e antecipa depoimento no STF sobre estelionato

De acordo com ela, a luta contra a discriminação no País está ligada ao crescimento do padrão de vida da população. "Um país que sabe que é capaz de lutar pela superação da pobreza tem de lutar pela superação de todas as formas de discriminação", disse. "Eu sempre destaco, quando me refiro à discriminação, a questão do acesso das populações marginalizadas, o problema das cotas raciais e sociais às universidades. Queria dizer que este País só é respeitado no cenário internacional porque ele se respeita e, por isso, talvez sejamos o País que melhor utilizou o crescimento econômico para elevar o padrão de vida de sua população."

Esportes: Com pontapé inicial de Dilma, estádio da Fonte Nova é reinaugurado em Salvador

Ao lado de Wagner, Dilma participa de inauguração do estádio Arena Fonte Nova, em Salvador
Governo da Bahia
Ao lado de Wagner, Dilma participa de inauguração do estádio Arena Fonte Nova, em Salvador


Dilma também comparou o Brasil de 2013 ao de 1950, quando o País foi sede pela primeira vez da Copa do Mundo de Futebol. "Naquela época, à nossa frente ainda teriam anos horríveis de fechamento e ditadura", lembra. "Hoje não, somos uma democracia consolidada, uma democracia que cresce e, diferentemente do passado, quando cresce compartilha os frutos desse crescimento com a população e seu povo, com todos os cidadãos e cidadãs." A presidente disse sentir "orgulho" pelo novo estádio e afirmou que a nova arena mostra que o País está "superando expectativas". "Nós somos o País conhecido como sendo insuperável ali, naquele campo, mas estamos mostrando que nós somos também um País insuperável fora do campo "

Transportes

Na cerimônia, da qual participaram o prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), o ACM Neto, o governador Jaques Wagner (PT) e sete ministros, a presidente também anunciou a liberação de R$ 1 bilhão do PAC da Mobilidade para o projeto chamado Vias Estruturantes, formado por dois corredores, com faixa exclusiva de ônibus. "Eles vão interligar o trecho urbano da BR-324 (a principal rodovia da Bahia) com a Avenida Paralela (a de maior tráfego em Salvador)."

Além disso, foi anunciado o acordo entre a prefeitura de Salvador e o governo do Estado para a transferência, da administração municipal para a estadual, da gestão da Companhia de Transportes de Salvador (CTS), responsável pelo metrô - em obras há 12 anos, ainda sem ter sido inaugurado - e do sistema de trens do Subúrbio Ferroviário. Segundo o governador, porém, ainda não há previsão de inauguração do metrô.

Com Agência Estado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.