Pressionado, Feliciano cancela viagem que faria à Bolívia

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente da Câmara teria dito 'delicadamente' ao deputado para não fazer a visita aos torcedores do Corinthians presos e comparecer à reunião de líderes na próxima terça

Pouco mais de 24 horas após a Comissão de Direitos Humanos da Câmara aprovar requerimento para que uma comitiva vá à Bolívia para averiguar a situação de 12 torcedores corintianos que estão presos desde fevereiro na cidade boliviana de Oruro, o presidente do colegiado, Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), decidiu adiar a viagem, prevista para a próxima semana.

Pedido de Feliciano: Comissão de Direitos Humanos aprova reuniões fechadas

Poder Online: Daniela Mercury inspira manifestação contra Feliciano na Câmara

Leia mais: PSOL acusa pastor de falta de decoro e pede investigação na Câmara

Alan Sampaio / iG Brasília
Marco Feliciano no plenário da Câmara

A decisão teria sido tomada depois de uma conversa com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Alves teria dito a Feliciano, "delicadamente", que ele não deveria fazer a viagem. As despesas dos presidentes de comissão têm de ser autorizadas pelo presidente da Câmara.

Já de acordo o assessor de Feliciano, Wellington de Oliveira, a viagem foi cancelada porque um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) já levaria um outro grupo de deputados até Oruro. O deputado então teria decidido aguardar o retorno dos parlamentares para analisar a situação dos torcedores brasileiros.

Saiba mais sobre o pastor Feliciano:

Feliciano se diz 'livre' para continuar na Comissão de Direitos Humanos

Deputada pede abertura de processo contra Feliciano

Enquete do iG: Feliciano deve deixar a Comissão de Direitos Humanos

Vídeo: Feliciano diz que Comissão de Direitos Humanos era dominada por ‘satanás’

Alves, durante a conversa com Feliciano, também teria sugerido que o presidente da Comissão de Direitos Humanos compareça a uma reunião na terça-feira (9) com a direção da Câmara e todos os líderes partidários. Feliciano prometeu que vai.

Com o apoio dos líderes, Alves tentará convencer Feliciano a renunciar à presidência da Comissão de Direitos Humanos. Contestado por ativistas, ele só conseguiu fazer reunião do colegiado que dirige depois de aprovar a realização de sessão sem a presença de público. Alves é contrário a essa decisão.

Com Agência Estado e Agência Brasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas