Kassab admite futuro apoio ao PT em 2014

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

O ex-prefeito de São Paulo disse, no entanto, que o PSD pretende viabilizar o maior número possível de candidaturas próprias nos Estados

Agência Estado

Com um pé no palanque eleitoral da presidente Dilma Rousseff para a sucessão de 2014, o ex-prefeito de São Paulo e presidente do PSD, Gilberto Kassab, disse nesta quarta-feira que vê a possibilidade de alianças com o PT nos Estados, além da esfera nacional. "Acho que (uma parceria) pode ser viável, mas não será o esforço nem do PSD, nem do PT, pelo menos neste primeiro momento", avaliou.

Leia mais: Dilma convida Afif para ministério e tenta aliança informal com PSD

Saiba mais: PSD reclama de oferta para integrar base, mas promete apoio a Dilma em 2014

Segundo Kassab, no entanto, o PSD pretende viabilizar o maior número possível de candidaturas próprias nos Estados. "Existe desde já uma recomendação para que haja um esforço bastante grande de viabilização de candidaturas próprias a governador", disse, reforçando que onde houver um projeto "viável", o PSD deve ter candidato.

Embora não tenha entrado formalmente na base governista, seu partido sinaliza que apoiará Dilma na campanha pela reeleição. Kassab, no entanto, não é assertivo neste momento e disse inda que o provável convite ao vice-governador Guilherme Afif para assumir agora o recém-criado Ministério de Micro e Pequenas Empresas "não passou por mim, nem pelo PSD", portanto, isso não configuraria já uma cota do partido no governo Dilma. "A presidente foi muito compreensiva. A nossa posição é definida, nós não iremos fazer parte da base até o último dia desse governo. Nós seremos independentes", afirmou.

Papo na Redação: Prioridade do PT-SP é criar palanque forte para Dilma em 2014

No Estado de São Paulo, a sigla pretende discutir a possibilidade de uma candidatura própria e o nome de Kassab não está descartado. "Eu sou uma pessoa de missões e não me negarei a cumprir essa missão, se ela for determinada pelo partido", disse. Segundo ele, não há prazo para a definição de uma possível candidatura sua ao governo de São Paulo, mas as conversas estão adiantadas. "Me sentirei muito honrado se for escolhido como candidato e mais ainda se tiver a honra de, depois de prefeito de SP, ser governador."

O ex-prefeito também afirmou que caso o PSD apoie efetivamente a campanha à reeleição de Dilma Rousseff, aí sim a sigla deverá entrar na base governista. "Se apoiarmos, vamos fazer campanha juntos, daí vamos governar juntos." Kassab participou na noite desta quarta-feira do 57º Congresso Estadual de Municípios, em Santos (SP), e fez uma palestra sobre a importância do fortalecimento municipalista.

Leia tudo sobre: psdgilberto kassabdilma rousseffeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas